Na ONU, Bolsonaro aumenta o valor do auxílio, defende a cloroquina e relembra o 7 de setembro

bolsonaro onu
Vídeos da cerimônia circulam pelas redes sociais e muitos usuários acusam Bolsonaro de mentir diante de autoridades internacionais (Reprodução/@secomvc/Twitter)

Auxílio emergencial de U$ 800, guerra ao socialismo e a “eficácia” do tratamento precoce contra a Covid-19. Essas foram algumas das pautas que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) abordou em seu discurso de abertura na 76ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), nesta terça-feira (21).

Vídeos da cerimônia, que circulam pelas redes sociais, mostram que o chefe de Estado mais uma vez descredibilizou a imprensa brasileira diante de autoridades internacionais. “Senhoras e senhores, é uma honra abrir novamente a Assembleia Geral das Nações Unidas. Venho aqui mostrar um Brasil diferente daquilo publicado em jornais ou visto em televisões”, introduz Bolsonaro.

“O Brasil mudou, e muito, depois que assumimos o governo em janeiro de 2019. Estamos há dois anos e oito meses sem qualquer caso concreto de corrupção. O Brasil tem um presidente que acredita em Deus, respeita à Constituição, valoriza a família e deve lealdade ao seu povo”, acrescenta.

Bolsonaro diz, ainda, que antes de sua gestão o país estava “a beira do socialismo”. “Nossas estatais davam prejuízo de bilhões de dólares no passado, hoje são lucrativas. Nosso Banco Desenvolvimento era utilizado para financiar obras em países comunistas, sem garantias”, disse.

Auxílio de 800 dólares

Um dos pontos que mais provocou revolta nas redes sociais foi a menção de Bolsonaro a um auxílio de U$ 800, que, segundo ele, foi pago aos brasileiros em situação de vulnerabilidade financeira durante a pandemia de covid-19. Na moeda brasileira, esse valor corresponde a cerca de R$ 4.300 mil.

“No Brasil, para atender àqueles mais humildes – obrigados a ficar em casa por decisão de governadores e prefeitos – e que perderam sua renda, concedemos um Auxílio Emergencial de 800 dólares para 68 milhões de pessoas em 2020”.

O valor do Auxílio Emergencial, pago desde abril de 2020 pelo Governo Federal, variava de R$ 600 a R$ 1.200, a depender do perfil da família a ser beneficiada. Essa quantia é até sete vezes menor do que a citada por Bolsonaro em seu discurso à ONU. Veja o vídeo:

Tratamento precoce

Ainda em seu discurso, Jair Bolsonaro voltou a defender o tratamento precoce contra a covid-19. Desde o começo da pandemia, ele é apoiador do uso da cloroquina, substância que não possui nenhuma eficácia comprovada contra a doença.

“Desde o início da pandemia, apoiamos a autonomia do médico na busca do tratamento precoce, seguindo a recomendação do nosso Conselho Federal de Medicina. Eu mesmo fui um desses que fez tratamento inicial”, disse.

“Não entendemos porque muitos países, juntamente com parte da mídia se colocaram contra o tratamento inicial. A história e a ciência saberão responsabilizar a todos”, conclui.

7 de setembro

Durante o pronunciamento, Bolsonaro também mencionou os atos do Dia da Independência, em 7 de setembro, e os classificou como “a maior manifestação de nossa história”. Na época, o presidente proferiu um discurso de ameaças golpistas ao STF (Supremo Tribunal Federal) e disse que “não aceitará que qualquer autoridade tome medidas ou assine sentenças fora das quatro linhas da Constituição” (relembre aqui).

“No último dia 7 de setembro, data na nossa independência, milhões de brasileiros – de forma pacífica e patriótica – foram as ruas na maior manifestação de nossa história, mostrar que não abre mão da democracia, das liberdades individuais e de apoio ao nosso governo”, disse Bolsonaro em um trecho do seu discurso à ONU.

Edição: Roberth Costa
Larissa Reis
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários