TSE abrirá urna eletrônica pela 1ª vez e internautas poderão acompanhar processo em rede social

urna eletrônica
Iniciativa permitirá aos cidadãos desvendar funcionamento do equipamento (TSE/Divulgação)

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) abrirá, pela primeira vez, uma urna eletrônica na plataforma eletrônica Kwai. Por meio de cinco vídeos curtos, o coordenador Rafael Azevedo explicará como funciona o equipamento e detalhará informações sobre as fases de vistoria do processo eleitoral. A iniciativa acontece nesta quinta-feira (23), a 100 dias das eleições.

Por meio dos registros gravados com cerca de um minuto cada, o usuário poderá descobrir mais sobre a montagem da urna, além dos itens que a integram e a funcionalidade de cada um deles.

O espaço ainda mostrará detalhes do equipamento, “dando visibilidade também às fases que integram o ciclo de vistorias do processo eleitoral, com informações detalhadas de cada uma delas, incluindo fases posteriores à realização das eleições”. O Kwai está disponível nos sistemas iOS e Android, na App Store e no Google Play.

Combate à desinformação

No início deste mês, o TSE lançou uma página especial com uma série de conteúdos para ampliar o enfrentamento da desinformação eleitoral no ambiente digital. Segundo o TSE, a iniciativa é parte das ações para o Mês do Combate à Desinformação e a primeira a ser feita dentro do acordo do aplicativo para “manter a integridade do processo eleitoral no Brasil”.

No Kwai, são publicados conteúdos com informações úteis relativas às eleições no intuito de explicar e desmistificar temas como fraudes na urna eletrônica, votos em branco e nulos, remuneração para a atuação de mesários e acesso à documentação eleitoral, além de outros temas relevantes.

#FatoOuBoato

Outro objetivo da campanha é usar os vídeos para explicar “o que é fato e o que é boato” sobre as eleições e a Justiça Eleitoral. Além disso, os conteúdos devem apresentar informações sobre o processo eleitoral, ajudando os usuários a identificar fake news e tirar dúvidas com fontes confiáveis.

Mais que somente assistir ao conteúdo, o cidadão também pode interagir com os posts, sugerindo dicas para ajudar na busca de informações corretas sobre as eleições. Para tal, deverão usar a hashtag #FatoOuBoato. O recurso oferece ferramentas que encaminham a páginas de checagem de informações e da Justiça Eleitoral.

Denúncias sobre desinformação

Nessa terça-feira (21), o presidente do TSE, Edson Fachin, lançou o Sistema de Alerta de Desinformação Contra as Eleições. Com o recurso, usuários poderão denunciar o recebimento de “notícias falsas, descontextualizadas ou manipuladas” sobre o processo eleitoral brasileiro.

“A partir de agora, qualquer pessoa poderá acessar esse sistema, que já está disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral, e reportar episódios envolvendo a circulação de notícias falsas, portadoras de inverdades sobre o sistema eleitoral brasileiro, que atentem contra a imagem de segurança e integridade do processo de votação e que possam afetar a normalidade do pleito eleitoral”, anunciou o ministro.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) tem um histórico de críticas contra a segurança das urnas eletrônicas. Em agosto do ano passado, por exemplo, o mandatário distorceu informações sobre uma investigação da Polícia Federal quando o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu inclui-lo no inquérito das fake news.

Antes disso, em 2020, já havia colocado em xeque a confiabilidade do voto eletrônico. “A minha eleição em 2018 só entendo que fui eleito porque tive muito, mas muito voto. Tinha reclamações que o cara queria votar no 17 e não conseguia. O que aconteceu em muitas sessões? Vão querer que eu prove, é sempre assim. O cara botava um pingo de cola na tecla 7, um tipo de adulteração”, afirmou, sem apresentar provas.

Com TSE

Edição: Roberth Costa
Nicole Vasquesnicole.vasques@bhaz.com.br

Graduanda em Jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Participou de reportagem premiada pela CDL/BH em 2022.

Comentários