Pesquisar
Close this search box.

Varíola dos macacos: Fhemig divulga protocolo emergencial sobre sintomas, cuidados e prevenção

Por

fhemig varíola dos macacos
Documento serve de norte para profissionais da saúde no estado (Vigilância do Estado/Secretaria da Saúde/Divulgação)

A Fhemig (Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais) divulgou, nesta semana, um protocolo emergencial com dados informativos sobre a varíola dos macacos. O documento fornece orientações aos profissionais de saúde acerca dos principais sintomas, além de prevenção da doença.

A transmissão do vírus ocorre principalmente por meio de gotículas – partículas respiratórias que exigem contato pessoal prolongado – ou por contato com lesões na pele. Uma pessoa também pode contrair a doença caso entre em contato com fluidos corporais de alguém infectado, ou ainda objetos recentemente contaminados pelos fluidos.

O período de incubação gira entre seis e 13 dias, mas pode variar de cinco a 21. Em relação à persistência do vírus em superfícies, há poucas evidências. Existem suspeitas de que a transmissão sexual possa ser outra via, mas a Fhemig destaca que não existem fatos que comprovem isso.

Principais sintomas

Os sintomas iniciais da varíola dos macacos incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, dores nas costas, linfonodos inchados (íngua), calafrios e exaustão. Lesões na pele se desenvolvem primeiramente no rosto e depois se espalham para outras partes do corpo, incluindo os genitais. As lesões na pele parecem as da catapora até formarem uma crosta, que depois cai.

Vale dizer que pessoas com comorbidades, como imunossupressão, estão sujeitas a quadros mais graves da doença. As lesões na pele podem gerar dores, ulceração e infecção bacteriana secundária, segundo o texto. Outras complicações podem incluir broncopneumonia, ceratite e ulceração da córnea, sepse, encefalite e até mesmo a morte.

Tratamento

Conforme o documento, não existem tratamentos específicos para a infecção pelo vírus. Os sintomas desaparecem naturalmente, mas a doença pode exigir cuidados clínicos sintomáticos ou de suporte para prevenir ou controlar complicações.

A Fhemig define como caso suspeito a “pessoa de qualquer idade, em país não endêmico para varíola dos macacos, que apresente erupção cutânea aguda inexplicável e que apresente um ou mais dos seguintes sinais ou sintomas, desde 15 de março de 2022: dor nas costas, astenia, cefaleia, início súbito de febre (>38,5 ºC), linfadenopatia”, entre outros.

O período de isolamento se inicia com o aparecimento dos sintomas e se estende até
quando as crostas das lesões desaparecem. A orientação é cuidar da erupção deixando-a secar e cobrindo-a com um curativo úmido. Além disso, é importante evitar tocar em feridas, na boca ou nos olhos.

Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu uma nota, no mês passado, reforçando a importância das medidas “não farmacológicas” como forma de combater a nova varíola de macaco. Por causa do aumento de casos, a agência reforçou a importância de medidas como distanciamento físico, uso de máscaras de proteção e higienização frequente das mãos, em aeroportos e aeronaves.

Nicole Vasques

Jornalista formada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), escreve para o BHAZ desde 2021. Participou de reportagem premiada pela CDL/BH em 2022.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ