Brasileiro de 8 anos entra para associação de pessoas mais inteligentes do mundo

gustavo saldanha
Aos seis anos, Gustavo gravou seu primeiro álbum, em que interpreta 14 sucessos dos Beatles (Reprodução/@gustavosaldanhaofficial/Instagram)

Após encantar a internet com todo o seu talento musical, um garotinho de apenas oito anos, morador de São Paulo, entrou para a seleta lista de pessoas mais inteligentes do mundo. Com um QI (Quoeficiente de Inteligência) de 140, Gustavo Arias Saldanha é o membro brasileiro mais novo da Mensa, associação internacional de pessoas de alto QI.

Aos cinco anos de idade o garoto se apaixonou por música, especialmente pelos Beatles, banda pela qual ele é completamente devoto. “Eu gosto da música porque quando eu toco eu sinto prazer de fazer os solos, cantar e tocar com meus amigos os instrumentos”, conta a criança.

Com apenas seis anos de idade, Gustavo gravou seu primeiro álbum, em que interpreta 14 sucessos dos Beatles. Hoje em dia, ele impressiona nas redes sociais ao tocar guitarra, baixo, violão, ukulele, bateria, teclado e outros instrumentos, além de cantar e já ter quatro músicas autorais.

Paixão por tecnologia

A música não é o único hobby de Gustavo Saldanha. Além de cantar e tocar, ele também ama tecnologia e televisão. Futuramente, ele pretende ter seu próprio estúdio de criação de conteúdo, onde poderá unir, em um só lugar, tudo aquilo que gosta.

“Além da tecnologia, eu gosto de montar um estúdio de TV em casa, porque tem as falas, as trocas de câmeras, as músicas de abertura e encerramento. Eu também gosto da parte do áudio, montar um estúdio de rádio e fazer a programação”, explica.

“Pretendo agregar música e tecnologia e outras coisas que eu gosto na minha profissão. Tenho o sonho de ter um ‘Gustavo Saldanha Animation Studio’, que é um complexo com várias coisas: estúdio de TV, rádio, teatro, escola, biblioteca”, acrescentou o garoto.      

Reconhecimento internacional

A associação Mensa no Brasil, que reúne as pessoas de alto QI de todo o país, ainda não aceita crianças. Por isso, Gustavo foi orientado pelo neurocientista Fabiano de Abreu a fazer o teste na associação internacional. Para o especialista, o caso de Gustavo comprova a sua tese sobre a importância da plasticidade cerebral.

“A inteligência tem precursor genético e o fenótipo resulta num desenvolvimento que sugere pistas que podem ser passadas para a próxima geração. Por isso a importância do nível educacional, da leitura, da aprendizagem para desenvolver uma população”, detalha Abreu.

Com Agência Brasil

Edição: Giovanna Fávero
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Estudante de jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e repórter do BHAZ desde 2021. Vencedora do 13° Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, idealizado pelo Instituto Vladimir Herzog.

Comentários