‘Coisa de menina’: Influencer rebate críticas após presentear filho com cozinha de brinquedo

lucas-brincando-cozinha
Influencer postou vídeo do filho brincando com a cozinha (Reprodução/@evelynregly/Instagram)

A influenciadora digital Evelyn Regly virou alvo de críticas em suas redes sociais após presentar o filho de 2 anos com uma cozinha de brinquedo – e rebateu os comentários negativos. No post em que Evelyn mostrou o presente do pequeno Lucas, algumas pessoas mandaram mensagens para a influencer dizendo que aquilo era “coisa de menina”. Evelyn recebeu também comentários de apoio, reforçando que brinquedo não tem gênero.

Inicialmente, Regly postou alguns stories de Lucas brincando com a cozinha. Momentos depois, ela compartilhou um dos comentários que recebeu. A pessoa disse: “Eu não acho legal dar brinquedo de menina para menino. A influenciadora respondeu: “Parabéns pela mensagem. Nota: Zero”. Veja:

‘Ele amou e eu também’

Evelyn decidiu, então, postar um vídeo no feed de seu Instagram, mostrando Lucas se divertindo com a cozinha. Nas imagens, ela e o pai do garotinho montaram o brinquedo, que possui geladeira, fogão, armário e pia. Depois, o menino apareceu vestido com um avental e fingindo estar cozinhando.

“Postando no feed pra deixar registrado o quanto ele amou brincar de cozinhar. E para a ‘mãe’ que me afrontou nos stories dizendo que eu estava dando brinquedo de menina para o meu filho, vá cagar antes que eu me esqueça. Ele amou e eu também”, escreveu a influenciadora digital.

Web apoia atitude de Evelyn

Nos comentários, Evelyn Regly recebeu uma série de mensagens de apoio à sua atitude. “Perfeitaaa!!! Vai ser um excelente cozinheiro! Mamãe que ensina que menino precisa cozinhar também cria um ótimo filho e torna ele um marido prestativo!”, disse a ex-BBB Camilla de Lucas.

“A mudança vem das pequenas coisas”, comentou uma outra usuária. “Lucas corre o grandíssimo risco de crescer com empatia e quando formar família dividir afazeres domésticos sem sentir sua masculinidade ameaçada por isso (povo não tem mais o que fazer não né)”, opinou outra pessoa.

Edição: Giovanna Fávero
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários