Mulher perde R$ 25 mil ao levar golpe do então namorado e desabafa: ‘Entrei em depressão’

mulher sofre golpe
Esteticista sofreu ameaças de morte após cobrar o dinheiro do ‘investimento’ (Reprodução/Redes sociais + Lidiane Pereira/Acervo pessoal)

Uma esteticista de 26 anos perdeu R$ 25 mil após sofrer um golpe do então namorado após conhecer o rapaz em um aplicativo de relacionamento, em Goiânia, no ano passado. Segundo conta Lidiane Pereira da Silva, o ex dela, Eduardo Setnacla, a convenceu a investir dinheiro em smartphones e, após ser cobrado, chegou a ameaçá-la de morte. Em fevereiro, ele foi indiciado pela Polícia Civil pelos crimes de estelionato e ameaça.

Ao BHAZ, Lidiane narra que tudo aconteceu muito rápido e, com poucas semanas de conversa, o casal engatou um namoro. Desde o momento em que conheceu Eduardo, o rapaz anunciou que trabalhava com iPhones e teceu vários elogios ao suposto investimento que a faria lucrar mensalmente, um “ramo bom”, segundo ele.

Recém-formada, a vítima tinha acabado de abrir uma sala de estética e precisava de dinheiro. O então parceiro a convenceu de que traria os celulares dos Estados Unidos e dividiria o lucro entre o casal, caso ela decidisse participar. À época, ele insistiu que o negócio renderia entre R$ 4 e R$ 5 mil.

Sem código, comprovante ou dinheiro na mão

“Ele falou que, quando comprasse, ia compartilhar o código de rastreio dos produtos comigo. Disse que no dia seguinte o moço enviaria. No outro dia, nada. Então passaram sete, 30 dias. E toda vez que eu cobrava ele dizia: ‘Deixa comigo que eu resolvo. Você não entende dessas coisas'”, lembra Lidiane.

Foi então que a desconfiança cresceu e a esteticista decidiu pressionar o então namorado. Ele passou a evitá-la, dizendo que não estava se sentindo bem ou que estava na rua, com amigos. Percebendo que algo não ia bem, Lidiane ameaçou denunciá-lo e registrar um boletim de ocorrência na Polícia.

“Antes de eu passar o dinheiro, tinha livre acesso ao apartamento dele. Depois ele se distanciou e começou a me enrolar. Na hora em que comecei a ameaçar, ele debochou, dizendo que eu tinha que cobrar era do fornecedor. Mas eu não tinha nenhum nome, código ou comprovante”, narra a mulher, que registrou o B.O.

Histórico de estelionato

Na delegacia, Lidiane tomou um susto ao descobrir que o rapaz já tinha passagens por estelionato. Quando mostrou que havia feito um boletim, ele ainda a enrolou um pouco mais. O homem passou a ameaçá-la quando notou que o caso seria levado à Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).

Segundo a esteticista, o ex tentou impedi-la de prestar depoimento. Ela chegou a dar entrevista para uma emissora local, ainda no ano passado, o que incentivou o início das ameaças de morte. O rapaz entrou em contato e tentou convencê-la a se calar, dizendo que iria pagar ao menos R$ 5 mil – o que não ocorreu.

“Quando eu falei que iria até o apartamento, ele disse que não me deixaria entrar. Disse que ia me matar, me dar um murro”, lamenta Lidiane. Em abril deste ano, o MPGO (Ministério Público de Goiás) formalizou uma denúncia contra o homem pelos crimes de ameaça e estelionato e ele chegou a ser intimado para uma audiência (leia a nota na íntegra abaixo).

(Lidiane Pereira/Acervo pessoal)
(Lidiane Pereira/Acervo pessoal)

‘Só quem passa sabe’

Além de perder R$ 25,2 mil no golpe aplicado pelo ex, Lidiane recebeu diagnóstico de depressão, ansiedade e transtorno de adaptação. Para custear o “investimento”, ela vendeu o próprio carro a R$ 44 mil por incentivo do ex, mas não teve retorno financeiro ou justiça a respeito do que aconteceu.

“As pessoas falam que dois meses é pouco tempo, mas foi muito intenso. Estávamos juntos 24 horas por dia. Eu dormia na casa dele cinco dias, direto, e quando voltava para casa ele também vinha comigo”, recorda.

Sem família em Goiás, Lidiane precisou de um bom tempo para tomar coragem e, enfim, expor a situação. “Eu me tranquei durante um bom tempo, me excluí da família. Não tinha forças nem pra levantar da cama, nem coragem pra falar pra ninguém. Julgar é fácil, mas a gente só sabe quando passa, quando tá ali envolvida com a pessoa”.

“Até hoje não deu em nada, não conseguem encontrá-lo, ele tá sumido. Resolvi expor somente há uma semana, porque sei que ele vai fazer mais vítimas. Depois que revelei o golpe, pelo menos quatro mulheres vieram relatar que passaram pelo mesmo”, revela.

O BHAZ não conseguiu localizar a defesa de Eduardo até a publicação desta reportagem. A matéria será atualizada caso o homem ou a representantes dele se pronunciem.

Nota do MPGO na íntegra

Em consulta ao sistema de autos do MPGO, localizamos apenas um processo em tramitação contra Eduardo, com denúncia oferecida pelo MPGO em 12 de abril deste ano, pelos crimes de estelionato (artigo 171, do Código Penal) e de ameaça (artigo 147, também do Código Penal). A denúncia foi recebida pela Justiça e ele, citado para audiência.

Edição: Roberth Costa
Nicole Vasquesnicole.vasques@bhaz.com.br

Graduanda em Jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Participou de reportagem premiada pela CDL/BH em 2022.

Comentários