‘O Brasil Conta Comigo’: Há mesmo obrigação de cadastro para os profissionais de saúde?

o brasil conta comigo medico obrigacao
Médicos são obrigados a fazer o cadastro? (Banco de imagens: DragonImages/Envato)
coluna colunista daniel mucci luana azevedo

O Ministério da Saúde publicou a Portaria nº 639, em 31 de março de 2020, que dispõe sobre a Ação Estratégica “O Brasil Conta Comigo – Profissionais da Saúde”, voltada à capacitação e ao cadastramento de profissionais da área de saúde, para o enfrentamento à pandemia do coronavírus (Covid-19).

Em suma, a Portaria define que, tendo em vista a situação emergencial de saúde do Brasil, mediante a pandemia do Covid-19, será criado um cadastro geral de profissionais da área de saúde, como forma de auxilio aos gestores federais, estaduais, distritais e municipais do Sistema Único de Saúde (SUS) nas ações de enfrentamento à Covid-19.

Para que seja feito o cadastramento, os conselhos profissionais nas áreas da saúde deverão enviar ao Ministério da Saúde os dados dos profissionais de saúde e comunicá-los que realizem o preenchimento dos formulários eletrônicos de cadastramento. Ademais, fica claro na Portaria, que o preenchimento do formulário é de caráter obrigatório, tendo em vista que o Ministério deverá informar aos conselhos os respectivos profissionais que não realizaram o preenchimento dos formulários.

Além disso, a Portaria define que o Ministério da Saúde promoverá capacitação dos profissionais da área de saúde cadastrados, aprovados pelo Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública, por meio de cursos à distância. Da mesma forma, o Ministério da Saúde informará aos conselhos sobre os respectivos profissionais da área da saúde que não concluírem os cursos tratados.

Para que seja feita uma análise crítica sobre a constitucionalidade da Portaria 639, faz-se necessária uma breve diferenciação da função de Portaria e Lei.

O Princípio de Legalidade define muito bem o papel da Lei em nossa sociedade, previsto no inciso II, artigo 5º da CF88, ele indica que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar alguma coisa senão em virtude de lei”. Paralelamente, com relação à Portaria, sua natureza jurídica é classificada como um ato administrativo ordinário, ou seja, ato que possui como finalidade disciplinar o funcionamento da Administração Pública ou a conduta de seus agentes. As Portarias devem respeitar leis, decretos e a Constituição.

Ao analisarmos a Portaria, em seus aspectos principais, verifica-se um caráter de obrigatoriedade no envio de dados dos profissionais de saúde ao Ministério, assim como a obrigatoriedade da capacitação destes profissionais por meio de cursos à distância. Entretanto, como fica claro no parágrafo acima, somente a lei tem poder de obrigar ou deixar de obrigar alguma coisa, sendo que a portaria possui como finalidade meramente disciplinar a administração pública ou a conduta dos seus agentes.

Apesar do caráter obrigatório nos aspectos destacados acima, vale ressaltar que a obrigatoriedade de atualização cadastral e realização do curso de capacitação não consiste, neste momento, em uma convocação compulsória dos profissionais de saúde, matéria já devidamente esclarecida pelo governo. Trata-se, na verdade, de uma medida preventiva para que, em situação de calamidade em que grande parte dos profissionais de atendimento na linha de frente do COVID-19 fossem afetados, não falte ajuda para o atendimento dos pacientes.

O que ainda padece de esclarecimentos, é a questão da punibilidade, do tipo de sanção que seria aplicado em caso de não cadastramento ou prosseguimento com o curso citado em portaria. Como não é devidamente esclarecido no próprio texto, em análise ao próprio código de ética médica, tomado como exemplo, observamos algumas sanções possíveis nesse sentido:

É vedado ao médico:

Art. 21: “Deixar de colaborar com as autoridades sanitárias ou infringir a legislação pertinente”.

Sendo assim, deixar de atender às determinações das autoridades sanitárias competentes pode sujeitar o profissional a responder por infração ética.

Todavia, pode-se questionar a questão da obrigatoriedade do cumprimento do que prevê a Portaria, quando observamos a plausibilidade da medida. Ainda não nos encontramos no pico do estado de calamidade, ainda estamos em processo de preparação para o mesmo, momento em que as medidas impositivas ainda não são respaldadas completamente em justificativas plausíveis. Ademais, é válido ponderar a necessidade de que as medidas não sejam autoritárias, tendo em vista a manutenção do estado democrático de direito.

Cabe ressaltar ainda, que no possível cenário de convocação compulsória, no capítulo II do Código de ética Médica, tem-se assegurado o direito do médico em recusar exercer sua profissão em cenário que possa prejudicar sua própria saúde:

É direito do médico:

IV – Recusar-se a exercer sua profissão em instituição pública ou privada onde as condições de trabalho não sejam dignas ou possam prejudicar a própria saúde ou a do paciente, bem como a dos demais profissionais. Nesse caso, comunicará com justificativa e maior brevidade sua decisão ao diretor técnico, ao Conselho Regional de Medicina de sua jurisdição e à Comissão de Ética da instituição, quando houver”.

Destaca-se ainda que existem disposições similares nos mais diversos Códigos de Ética dos Conselhos Federais das diversas profissões convocadas.

Assim, considerando o princípio da legalidade previsto no artigo 5°, inciso II, da Constituição Federal haveria inconstitucionalidade formal da Portaria nº 639, ainda que não esteja claro o tipo de sanção que seria aplicado em caso de não cadastramento ou prosseguimento com o curso citado em Portaria.


* Luana Azevedo Magalhães é estagiária acadêmica.
* Daniel Vitor Costa Mucci é estagiário acadêmico.
* Daniel Carvalho Monteiro de Andrade é advogado e revisor.

Direito de A a Z
Direito de A a Zmadgav@madgav.com.br

A coluna Direito de A a Z esclarece quais são os direitos do cidadão nas mais diversas áreas. E sem “juridiquês”! Para isso, profissionais que integram o escritório Monteiro de Andrade, Diniz, Galuppo, Albuquerque e Viana Advogados se revezam na autoria de artigos sobre temas cotidianos. A equipe integra uma das mais respeitadas sociedades de advogados de BH, com prestação de serviços personificados em diversas áreas do Direito.

OLHO NA DICA PARA ECONOMIZAR

Na sede do BHAZ, economizamos todos os meses na conta de energia por meio de uma operação regulamentada pela ANEEL e ainda desconhecida por muitos consumidores. E o melhor: não tivemos nenhum custo extra para ter acesso a esse desconto. Por isso, damos esta dica para quem mora em qualquer cidade de Minas Gerais.

Sua conta de luz pode ficar até 15% mais barata com a Metha Energia. Faça agora seu cadastro, é 100% DIGITAL e GRATUITO. Clique no botão abaixo e simule direto seu desconto mensal. Caso queira saber mais sobre a tecnologia, leia este conteúdo que explica em detalhes a operação.