Paciente é agredido e ameaçado por médico em hospital de Contagem: ‘Nunca mais vai acordar’

samuel denuncia agressao
Paciente relatou os momentos de pânico vividos (Arquivo pessoal/Samuel Ferreira)

Um paciente do Hospital Municipal de Contagem passou por momentos de pânico após ser agredido e ameaçado por um médico dentro da instituição. A vítima foi violentada com socos e gravata no último sábado (11). O profissional de saúde foi afastado pela direção do hospital localizado na região metropolitana de Belo Horizonte.

O BHAZ conversou com Samuel Ferreira na tarde desta terça-feira (14). O homem de 32 anos contou que está internado desde o dia 6 de setembro. “Dei entrada pensando estar com encefalite viral, mas foi descoberto que estou com inflamação no coração e vou precisar operar”, detalhou.

Samuel estava com dificuldades para dormir e resolveu fazer um pedido. “Conversei com as enfermeiras para o médico prescrever um remédio para eu dormir. Brinquei com o médico dizendo que não era para ser um medicamento igual que um outro paciente tomou e ficou três dias sem acordar”, lembra.

Após dizer isso para o médico, Samuel continuou no leito, e foi então que os ataques começaram. “Ele veio até mim e disse: ‘Se você não calar a boca, vou chamar dois enfermeiros e dar uma injeção que nunca mais você vai acordar'”. A fala deixou o paciente preocupado, mas o pior ainda estava por vir.

Agressões

Samuel foi até o banheiro e na volta encontrou o médico no corredor. “Ele me perguntou de que forma a gente ia resolver o nosso problema. Falei que não sabia o que estava acontecendo, mas disse que seria da forma que ele quisesse”, conta.

O paciente ainda relembra o que aconteceu na sequência: “Ele olhou para os lados e disse: ‘Não tem câmera aqui’. Ele me deu uma gravata e começou a me agredir com socos. Na hora que estava no chão, chamou dois enfermeiros para me sedar”. Samuel não conseguiu dormir naquele dia e chamou a família para denunciar o que havia acontecido.

O caso foi registrado junto à Polícia Militar.

samuel ferido
Paciente teve diversos ferimentos (Arquivo pessoal/Samuel Ferreira)

‘Estou traumatizado’

O paciente segue com o olho roxo e as marcas de tudo que passou naquele dia. “O médico falou que tenho problemas psiquiátricos e foi preciso usar técnicas de arte marcial para me conter. O sentimento é de revolta. Estou traumatizado ainda”, desabafa.

Samuel relembra que após ser levado de volta ao leito, o médico fez uma indagação. “Ele me perguntou assim: ‘Você acredita em Deus?”. Disse que sim e ele começou a orar o Pai Nosso dizendo que no outro dia eu não ia mais acordar. Isso não é médico. Não tem capacidade nenhuma”, comenta.

Afastamento

Procurada pela reportagem, a Prefeitura de Contagem informou que o médico está afastado das atividades. “A denúncia será encaminhada à Comissão de Ética Médica do Hospital e ao Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRMMG)”, diz em trecho da nota enviada.

A direção do Hospital Municipal de Contagem ressaltou que vem prestando acompanhamento com as equipes Médica, de Enfermagem e de Psicologia. “O hospital tem me dado todo o apoio. Não tenho o que reclamar das pessoas que trabalham aqui”, afirma Samuel.

O paciente, segundo a prefeitura, foi até o IML (Instituto Médico Legal) para realizar exames. “Enfatizamos que a Instituição está dando todo o apoio ao paciente e à família, acolhendo e tomando todas as providências necessárias. Continuamos a disposição para outros esclarecimentos”. A nota pode ser lida na íntegra abaixo.

Nota da Prefeitura de Contagem

“A direção do Hospital Municipal de Contagem (HMC), acerca da denúncia de agressão ao paciente SCF, esclarece:
A Diretoria do HMC está solidária ao paciente, tanto na condição clínica que o trouxe à instituição, quanto ao ocorrido na madrugada de sexta-feira para sábado.

Esclarecemos que o médico foi afastado para apuração dos fatos ocorridos. A denúncia será encaminhada à Comissão de Ética Médica do Hospital e ao Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRMMG).
Esclarecemos, ainda, que o paciente vem sendo acompanhado pelas equipes Médica, de Enfermagem e de Psicologia do HMC desde a sua internação. Após o episódio passou a ser acompanhado também pela equipe da Assistência Social.
Esclarecemos, também, que o paciente foi conduzido ao Instituto Médico Legal de Minas Gerais em uma ambulância do HMC, acompanhado de uma técnica de Enfermagem da unidade.
Enfatizamos que a Instituição está dando todo o apoio ao paciente e à família, acolhendo e tomando todas as providências necessárias.
Continuamos a disposição para outros esclarecimentos”.

Edição: Giovanna Fávero
Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.

Comentários