Pequetito interrompe narração para desabafo após 3º gol do Avaí contra o Cruzeiro

Reprodução/ Bruno Haddad/Cruzeiro + Instagram

O narrador esportivo Osvaldo Reis, o Pequetito, interrompeu a locução do jogo entre Cruzeiro e Avaí, no início da noite deste sábado (17), pela rádio Super 91.7 FM, para fazer um longo desabafo sobre a situação do clube mineiro.

Durante cerca de 2 minutos e 30 segundos – uma eternidade no futebol –, Pequetito falou de forma emocionada e não poupou críticas à direção do Cruzeiro.

“Vexame, Cruzeiro sofre uma humilhação. É um time aos pedaços, aos cacos, tentando juntar os caquinhos. Mais do que medíocre…que se vê caindo pelas tabelas. O torcedor não merece essa humilhação”

O jornalista disse ter dificuldades de expressar a situação. “Nâo há palavras, não há adjetivos que eu possa trazer, agora, para tentar descrever a humilhação que sofre o Cruzeiro. Humilhado, massacrado, jogado na lama, no fundo do poço por qualquer time, por qualquer clube”.

E disparou contra a direção do Cruzeiro. “Um time que não tem comando na sua presidência, um time que não tem diretoria, que não tem um trabalho, que não tem um Conselho, que não tem comissão técnica, que não tem jogador, que não tem respeito pela história de uma camisa tão gloriosa, de um bicampeão da Copa Libertadores, de um tetracampeão brasileiro, de um hexacampeão da Copa do Brasil”, desabafou.

O narrador defendeu o torcedor celeste. “A nação cruzeirense não é idiota e não pode passar esse tipo de humilhação”. E concluiu secamente: “3 para o Avaí. Para o morto Cruzeiro, 0”.

Os 3 x 0

O time celeste tentou e errou bastante, esteve à mercê de substituições equivocadas do técnico e perdeu para o Avaí com 3 gols de contra-ataque em pleno Mineirão. Com a derrota, o Cruzeiro completou 6 jogos sem vencer e a situação está mais do que crítica: 15ª posição na tabela com apenas 11 pontos, apenas 2 de distância para o Z4. Na próxima rodada, o time tenta a reação imediata contra o Remo, lanterna da competição, nesta terça-feira (20), no Baenão.

O jogo também representou mais uma marca atingida pelo goleiro e capitão cruzeirense Fábio: são 950 partidas do ídolo com a camisa do time estrelado, o maior recorde de um atleta no time mineiro.

Contra-ataque mortal

No primeiro ataque mais perigoso da partida, saiu o gol de um time azul e branco, mas o visitante. Aos 17 minutos, o Cruzeiro tinha a posse de bola no ataque, mas perdeu e o Avaí aproveitou para contra-atacar. Copete tocou para Marcos Serrato livre de marcação e ele chutou no cantinho para fazer 1 a 0.

Parou no goleiro

O Cruzeiro tentou mostrar poder de reação e respondeu aos 28 com o chute de Bruno José da entrada da área, mas o goleiro Glédson agarrou. O mesmo atacante tentou de novo aos 37, de dentro da área, e o arqueiro espalmou para escanteio. Pouco depois, aos 39, Marcinho fez bom passe para Moreno e ele chutou no meio do gol, para outra defesa de Glédston.

Parou no goleiro

O Cruzeiro tentou mostrar poder de reação e respondeu aos 28 com o chute de Bruno José da entrada da área, mas o goleiro Glédson agarrou. O mesmo atacante tentou de novo aos 37, de dentro da área, e o arqueiro espalmou para escanteio. Pouco depois, aos 39, Marcinho fez bom passe para Moreno e ele chutou no meio do gol, para outra defesa de Glédston.

No finalzinho da primeira etapa aos 47, a cobrança de falta de Marcinho passou pertinho do travessão.

Tentou a pressão

Logo no início do 2T, o Cruzeiro quase chegou ao empate. No cruzamento de Rômulo aos 5, a bola foi na cabeça de Marcelo Moreno livre de marcação, ele testou, mas a tentativa explodiu no travessão. No rebote, Marcinho não conseguiu concluir.

Após dois minutos, a bola sobrou limpa para Felipe Augusto na área, ele chutou de primeira e isolou. Na marca dos 15 do 2T, o time celeste fez uma boa construção, a zaga do Avaí tentou tirar e entregou nos pés de Marcinho, que chutou de primeira para a defesa do goleiro.

Quem não faz…

Leva, né? Logo na primeira chegada do Avaí no 2T, apenas aos 25, o clube catarinense aproveitou o adversário desarrumado em campo e fez mais um gol de contra-ataque. Getúlio desceu em velocidade, cruzou da esquerda para Renato e o meia mandou para as redes. Detalhe: a Raposa estava com apenas 1 zagueiro em campo, por causa das substituições feitas pelo técnico.

O Avaí desceu bem de novo aos 32, na jogada individual de João Lucas pra cima de Norberto. O lateral chutou rasteiro e a bola passou.

Gente…

Pouco depois, aos 35, veio o terceiro. Mais uma vez, a defesa celeste estava perdida e Copete cruzou na medida para Renato empurrar para o gol e fazer seu segundo no jogo. Fim de papo: 3 a 0 para o Avaí em pleno Mineirão e 6º jogo sem vitória celeste.

Com Beatriz Kalil Othero

Comentários