Projeto da UFMG faz diagnóstico do envelhecimento LGBT+ em BH

Pessoa idosa
Pesquisa também quer avaliar acesso dessa população aos serviços públicos municipais (FOTO ILUSTRATIVA: Envato Elements)

Um estudo desenvolvido por pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) em parceria com a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) busca traçar um diagnóstico do envelhecimento da população LGBT+ na capital mineira. A primeira fase da pesquisa, com questionário online dirigido a pessoas idosas LGBT+ que morem em BH, pode ser conhecida e respondida neste link.

“O que significa ser uma pessoa idosa LGBT+ em Belo Horizonte? Que desafios, questões, angústias, sensações, necessidades têm mulheres lésbicas, homens gays, travestis, pessoas trans e outras identidades de gênero e sexualidade dissidentes com mais de 60 anos na capital mineira? Que forma de discriminação experimentam, por serem idosas e por serem LGBT+?”, questiona o projeto Longeviver LGBT+, do Diverso UFMG – Núcleo Jurídico de Diversidade Sexual e de Gênero.

De acordo com a UFMG, a pesquisa busca subsidiar o poder público com informações a respeito de questões específicas sobre o processo de envelhecimento da população LGBT+ no município e a percepção de pessoas idosas LGBT+ sobre o acesso e a qualidade dos serviços públicos. A parceria foi construída ao longo dos últimos anos por meio de um diálogo entre o Programa de Extensão Diverso UFMG, da Faculdade de Direito, e a Diretoria de Políticas para a População LGBT da PBH.

Violência contra a população idosa e LGBT+

Os organizadores explicam que “o projeto se justifica pelo cruzamento de experiências da velhice e da vivência de identidades de gênero e sexualidades dissidentes”. O ponto de partida são as já conhecidas formas de violência contra a população idosa: o abandono financeiro ou a exploração econômica, a violência física, a violência psicológica, a violência conjugal, a violência sexual, o abandono e negligência, a autonegligência e o isolamento social, entre outras.

“Embora conhecidos, por outro lado, os instrumentos legais que garantem a proteção da pessoa idosa (especialmente o Estatuto do Idoso), no que diz respeito às violações dos direitos da população idosa LGBT+, nenhum diagnóstico específico foi realizado na capital mineira. E a importância é redobrada, considerando o duplo processo de estigmatização e invisibilização desta população, bem como o fato de que não há dados ou estudos voltados especificamente a esse público na cidade de Belo Horizonte”, afirmam os coordenadores da pesquisa.

Metodologia

Ainda segundo a UFMG, o projeto busca realizar uma série de ações articuladas com vistas a um diagnóstico situacional, orientado por pesquisa de opinião pública. Os envolvidos aplicarão questionários online, “para uma percepção aproximativa das grandes demandas, e aprofundamentos em entrevistas e observação de realidades”.

A ideia é promover uma aproximação entre o estado e a sociedade, possibilitando uma melhor qualificação dos serviços públicos em todas as suas fases (formulação, implementação, monitoramento e avaliação). Além disso, a pesquisa quer compreender de maneira mais adequada as necessidades, percepções e avaliações dos cidadãos-usuários sobre os serviços ofertados no município, bem como outros aspectos relevantes de suas vidas que deveriam ser considerados pelo poder público no momento construção de novas políticas públicas. 

O diagnóstico pretende se constituir a partir de uma compreensão multidisciplinar e detalhada do processo de envelhecimento da pessoa LGBT+ na cidade de Belo Horizonte, a partir dos seguintes critérios: perfil socioeconômico; estrutura da família e histórico de fragilização de vínculos familiares; saúde mental e processos de adoecimento na velhice; violações de direitos e histórico de violência LGBTfóbica; percepção sobre segurança; vivência da sexualidade, matrimonialidade e outras relações afetivas; consumo, patrimônio e turismo. 

A ideia também é avaliar a percepção da pessoa idosa LGBT+ sobre o acesso e a qualidade dos serviços públicos utilizados. Inclui-se a avaliação de acesso e qualidade de serviços de saúde, assistência social, transporte público e mobilidade urbana, educação e cultura; acesso e qualidade de políticas de geração de renda e aspectos relacionados à empregabilidade da pessoa idosa LGBT+, além de acesso aos espaços públicos municipais e políticas de esporte e lazer.

Com UFMG

Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.

OLHO NA DICA PARA ECONOMIZAR

Na sede do BHAZ, economizamos todos os meses na conta de energia por meio de uma operação regulamentada pela ANEEL e ainda desconhecida por muitos consumidores. E o melhor: não tivemos nenhum custo extra para ter acesso a esse desconto. Por isso, damos esta dica para quem mora em qualquer cidade de Minas Gerais.

Sua conta de luz pode ficar até 15% mais barata com a Metha Energia. Faça agora seu cadastro, é 100% DIGITAL e GRATUITO. Clique no botão abaixo e simule direto seu desconto mensal. Caso queira saber mais sobre a tecnologia, leia este conteúdo que explica em detalhes a operação.

Comentários