Roupeiro que trabalhou na Seleção Brasileira por 25 anos faz vaquinha para tratar câncer

Rafael Ribeiro/CBF

Rogelson Barreto, roupeiro que trabalhou pela Seleção Brasileira por aproximadamente 25 anos, foi diagnosticado com câncer de reto e procura ajuda na internet para custear o tratamento. A doença desencadeou a Síndrome de Fournier, uma infecção grave, e o carioca de 61 anos já passou por três cirurgias.

Hoje, o ex-roupeiro está internado no Hospital Municipal de Maricá, no Rio de Janeiro, e seu filho, Bernard Barreto, procura juntar o dinheiro para realizar os exames necessários para que o tratamento seja iniciado. Através de uma vaquinha online, a família tem o objetivo de arrecadar R$ 150 mil para transferir Rogelson para um hospital particular, onde o processo é mais rápido, e cobrir todo o tratamento das doenças.

Ver essa foto no Instagram

Rogelson Barreto, meu pai e ex-roupeiro da seleçao brasileira de futebol durante décadas, participando das conquistas de 94 e 2002, foi diagnosticado com câncer de reto, fez fístula intestinal e desenvolveu síndrome de fournier, passando por 3 cirurgias até o momento. Hoje, ele está internado no hospital municipal de Maricá e luta contra o tempo pra se recuperar, pois necessita urgência para realização de exames imprescindíveis para iniciar seu tratamento. O SUS é lento e não podemos esperar. A chance dele não é grande, mas com rapidez aumentará. Precisamos muito de sua ajuda para iniciarmos o tratamento o quanto antes. Muito obrigado! E por isso estou realizando uma vaquinha para tentar juntar o dinheiro para dar início ao tratamento… http://vaka.me/791417 @ronaldo @ronaldinho @adrianoimperador @cafu2 @marcelotwelve @oficialrc3 @bebeto7 @edmu @vampeta05 @balancogeral @tinojunior @galvaobueno

Uma publicação compartilhada por Bernard Barreto (@bernard__arthur) em

Rogelson começou a trabalhar pela Seleção Brasileira por volta de 1989 e participou de seis edições de Copa do Mundo, incluindo a dos títulos de 1994 e 2002. Seu filho, Bernard, de 29 anos, contou ao BHAZ que o roupeiro era muito querido pelos jogadores e que acompanhou o início da carreira de muitos deles. Ronaldo, Romário, Ronaldinho Gaúcho, Adriano e Roberto Carlos são alguns dos exemplos dos jogadores com quem Rogelson trabalhou por anos.

Em 2014, o roupeiro foi demitido da CBF junto com toda a comissão técnica da seleção, que foi dissolvida após a Copa em que o Brasil perdeu de 7 a 1 para a Alemanha. “Meu pai sempre amou o que fazia, nunca se viu fazendo outra coisa. Quando ele saiu, ficou sem saber o que fazer…de lá pra cá ele ficou bem depressivo, parou de se cuidar…”, contou Bernard. Desde então, Rogelson fez alguns trabalhos para o Boa Vista, mas não conseguiu outro emprego fixo.

Através da campanha nas redes sociais, a família e os amigos pretendem chamar a atenção de jogadores que trabalharam com Rogelson e da CBF, que o empregou por 25 anos. “Meu pai sempre foi muito carismático e sempre gostaram muito dele. Alguns entraram em contato, acho que eles têm um grupo do pessoal do penta e estavam se mobilizando pra ajudar”, contou o filho.

Até agora, o ex-volante Edmilson, que conquistou a Copa de 2002, já entrou em contato com a família para ajudar. Para ajudar Rogelson a se recuperar da doença, doações podem ser feitas através da vaquinha “Ajudando o amigo Barreto”. Clique AQUI para ajudar.

Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Escreve com foco na editoria de Esportes no BHAZ.