Secretário fura fila de vacina da Covid e é exonerado da Prefeitura de Santa Luzia

secretário-de-esporte-vacina
O secretário não faz parte dos grupos prioritários definidos para receber a primeira dose da vacina contra a Covid-19 (Reprodução/Facebook + Pedro Gontijo/Imprensa MG)

A Prefeitura de Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, exonerou o então secretário municipal de Esportes Marco Aurélio Silva, mais conhecido como “Marquinho Luxemburgo”. Ele deixou o cargo depois de furar a fila prioritária na vacinação contra a Covid. Ao todo, quatro pessoas envolvidas na fraude receberam exoneração. Dois terceirizados foram demitidos e um funcionário teve o contrato rescindido.

A Prefeitura da cidade divulgou nota de transparência em que explica o processo. Uma auditoria preliminar realizada pela Secretaria Municipal de Saúde identificou o desvio de uma dose da Coronavac. Depois, uma apuração e cruzamento de dados acabou identificando que quem recebeu a dose foi o então secretário Marco Aurélio. O profissional não faz parte de nenhum grupo prioritário definido para receber as primeiras doses do imunizante contra a Covid-19.

A auditoria também identificou os demais profissionais envolvidos no desvio e aplicação da vacina. Na nota, a Prefeitura de Santa Luzia informa que todos os que participaram da ação, direta ou indiretamente, receberam exoneração dos cargos. Além disso, um processo administrativo será aberto, bem como uma ocorrência policial contra os envolvidos. A Secretaria Municipal de Saúde ainda não identificou outros desvios.

Medidas para prevenir desvios de doses

Outras medidas para que demais desvios não ocorram estão sendo tomadas. Conforme informado pela câmara municipal, “toda equipe da Secretaria Municipal de Saúde está sendo reorientada, inclusive sobre as consequências de se faltar com as determinações estabelecidas na Nota Técnica encaminhada pelo Ministério da Saúde”.

A prefeitura disse que o desvio ocorreu mesmo diante dos esforços para que a vacinação seja realizada de maneira organizada e segura. “Agora, os protocolos serão reforçados para que tal ato não volte a acontecer na cidade”, informaram na nota de transparência.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários