Serra do Cipó decreta lockdown no ‘Carnaval’ e proíbe venda de bebidas

Serra do Cipó Carnaval
As festividades de Carnaval estão suspensas (Salma Freua/Arquivo Pessoal + FOTO ILUSTRATIVA: Moisés Teodoro/BHAZ)

A Prefeitura de Santana do Riacho, município onde fica a turística Serra do Cipó, na região Central de Minas Gerais, decretou nessa quarta (27) a suspensão de todos os alvarás de funcionamento dos estabelecimentos comerciais e demais prestações de serviço no período tradicionalmente do Carnaval, além do adiamento do feriado e proibição da venda de bebidas alcoólicas entre os dias 12 e 16 de fevereiro.

No DOM (Diário Oficial do Município), a prefeitura explica que a suspensão é uma medida de prevenção e que não restou outra alternativa, haja vista que o município historicamente recebe um número elevado de turistas, principalmente no Carnaval, sendo necessária então medidas de diminuição de circulação de pessoas.

No decreto, foi pontuado que as medidas restritivas estabelecidas pelas cidades vizinhas também motivou essa ação, visto que essa atitude ocasionou em um aumento no número de pessoas em Santana do Riacho nos últimos dias. O documento lembrou da alta no número de infectados pelo novo coronavírus no município e no estado. Minas Gerais liberou ontem (27) o funcionamento de serviços não-essenciais, mesmo na onda vermelha.

Em vídeo publicado na rede social da prefeitura, o chefe do Executivo municipal, Fernando da Farmácia (DEM), fez o anúncio à população: “Viemos comunicar que não haverá feriado de Carnaval no nosso município em fevereiro. Foi uma decisão tomada pelo Comitê de Enfrentamento à Covid devido a crescente de casos no estado e o fechamento dos municípios vizinhos também”.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Prefeitura Santana do Riacho (@prefeiturasantanadoriacho)

Ele destacou que suspensão do Carnaval é apenas um adiamento. “Nós vamos remarcar essa data oportuna quando estivermos em condição de realizar essa festividade. Contamos com a colaboração de todos”. No DOM, a prefeitura chamou a futura data de “Carnaval Extemporâneo”, “a título de incentivo à população e comerciantes”.

Medidas no Carnaval

As medidas na cidade vão valer entre os dias 12 e 16 de fevereiro. As festividades de Carnaval e o feriado estão adiados e haverá a suspensão de todos os alvarás de funcionamento dos estabelecimentos comerciais e demais prestações de serviço nesse período. Estará permitido o funcionamento dos seguintes comércios essenciais:

  • Hipermercados, supermercados, mercados, açougues e hortifrútis;
  • Comércios de produtos para animais;
  • Distribuidores de gás e água mineral;
  • Farmácias;
  • Postos de combustíveis.

A comercialização de bebidas alcoólicas foi proibida, mesmos nos estabelecimentos que possuem autorização de funcionamento no período. Além disso, não estará permitido o consumo de bebidas alcoólicas em quaisquer lugares públicos no âmbito do município.

A prefeitura também reforçou algumas orientações, como o distanciamento entre as pessoas, a limitação no número de entradas simultâneas nos estabelecimentos, conforme o tamanho do seu espaço físico, além do uso de álcool em gel. Colaboradores com sintomas de gripe estão proibidos de trabalhar.

Medidas imediatas

No momento, bares, restaurantes, lanchonetes e similares estão autorizados de funcionamento, desde que até às 22h, incluindo finais de semana. Ficam mantidas as demais restrições quanto às questões afetas ao comércio em geral, aglomeração e realização de eventos públicos e privados.

As infrações serão informadas à Polícia Militar, Polícia Civil e ao Ministério Público de Minas Gerais. Alterações no decreto, seja de ampliação ou diminuição nas restrições, podem ocorrer, de acordo com a análise do Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde do Covid-19.

Covid-19

COVID-19
Boletim dessa quarta-feira (Prefeitura de Santana do Riacho/Divulgação)

No último Boletim Epidemiológico de Santana do Riacho, divulgado ontem, a cidade registrava 80 confirmados com a doença, 15 confirmados em tratamento, 56 pessoas em monitoramento, além de 64 recuperados e um óbito.

Edição: Thiago Ricci

Comentários