Sorria, você está sendo observado! Supercâmeras da PM fazem roubo de celular despencar no Domingo de Carnaval

Vitor Fórneas/BHAZ

Seis supercâmeras que conseguem dar um zoom de até 3 km e tem visão noturna. Esse é parte do aparato usado pela Polícia Militar durante a segurança do Carnaval que, segundo a corporação, contribuiu para o número de furtos e roubos de celular despencar, no Estado, no Domingo de Carnaval.

“A junção do efetivo com a tecnologia é a novidade da Polícia Militar (PM) para o Carnaval de 2019”, resume a porta-voz do Comando de Policiamento da Capital (CPC), tenente Gisele Couto. Os militares trabalham na folia, atribuída pela Prefeitura de Belo Horizonte como a maior da história da cidade, com dois postos de observação elevada.

“Neles contamos com o auxílio dessas seis câmeras. Elas possuem um raio de atuação de até 3 km e a qualidade da imagem ajuda na identificação do suspeito. Assim que ocorre a identificação, entramos em contato com os militares que estão próximos do evento e eles fazem a abordagem “, explica a tenente.

“Mesmo em ambientes escuros conseguimos localizar as pessoas, pois é utilizado o calor”, complementa.

Qualidade da imagem é um dos fatores que auxiliam a PM no combate ao crime (Vitor Fórneas/BHAZ)

A porta-voz do policiamento de BH garante: esses equipamentos não possuem reconhecimento facial. Isso porque uma reportagem do The Intercept Brasil afirmou que a polícia fluminense fará um banco de dados com os rostos captados por câmeras, também superpotentes (veja a matéria aqui).

Queda no Domingo de Carnaval

Voltando a Minas, a PM daqui atribui a essa tecnologia e ao trabalho de 8 mil agentes a queda para menos da metade no número de furtos e roubos de celular no Estado, no Domingo de Carnaval: de 565 em 2018, para 255 neste ano.

Desse total, foram 256 roubos e 309 furtos no Domingo de Carnaval do ano passado, que caiu em um dia 11 de fevereiro, e 60 roubos e 195 furtos no último dia 3.

A corporação também aponta redução, nessa base de comparação, na quantidade de crimes violentos (80, em 2018, para 22), e ocorrências de importunação sexual (4 para 2) – no ano passado, ainda não era crime, mas já existia como contravenção. O número de estupro ficou estagnado: 5 em ambos os anos.

Caminhão da polícia fica em pontos de maiores eventos (Vitor Fórneas/BHAZ)

Vale ressalta que todos esses números têm ligação com o Carnaval. A PM, no entanto, não divulgou as estatísticas apenas de Belo Horizonte nem mesmo dos outros dias de folia.

“O balanço será feito e divulgado após o fim do Carnaval. Como não fechamos o evento, ainda não temos os números para apresentar”, justifica a tenente, apesar da corporação ter adiantado os números relativos aos domingos de 2018 e 2019.

Vitor Fórneas
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas pelo prêmio CDL.