Home Notícias Política Michel Temer deve exonerar ministros para garantir votos contra denúncia

Michel Temer deve exonerar ministros para garantir votos contra denúncia

A exoneração de alguns ministros que possuem mandato na Câmara passa a ser cada vez mais “concreta” por parte do presidente Michel Temer (PMDB). A afirmativa foi feita pelo ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Antônio Imbassahy, visto que está marcada para esta quarta-feira (2) a sessão de votação para a aprovação ou rejeição da denúncia contra o presidente.

“O presidente tem essa possibilidade concreta em mente, e é muito provável que ele faça com que os ministros que têm mandato junto à Câmara dos Deputados possam estar presentes durante a votação. O governo vai continuar buscando quórum e aguardando que isso traga um resultado muito bom”, opinou o ministro.

A declaração do ministro foi dada nesta segunda-feira (31), durante cerimônia de assinatura do contrato de financiamento da segunda etapa das obras do Bus Rapid Transit (BRT) em Salvador, que terá início a partir de 2018.

Para Imbassahy, a denúncia contra Temer foi rejeitada na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, por ser considerada “frágil e vazia”. Segundo ele, o Brasil tem outras prioridades e demandas.

“Resta às oposições, se tiverem quórum, que aparentemente não têm, modificar essa posição da CCJ. Então a nossa posição é de muita tranquilidade e muita serenidade. O que interessa aos brasileiros é a estabilidade na política, a reconstrução da economia, a recuperação dos empregos e a renda das famílias brasileiras. Esse é o nosso foco ao lado do sistema tributário, trabalhista e tantos outros que alcançamos no Congresso Nacional”, conclui.

Sobre a votação no plenário da Câmara, o ministro Bruno Araújo, que assim como Imbassahy também é do PSDB, disse acreditar que o partido permanecerá na base para somar votos contrários à admissibilidade da denúncia.

“Acredito que há uma mobilização forte nesse sentido e, obviamente, essa decisão será tomada pelo partido no momento apropriado, mas acredito que há uma compreensão de que o país precisa fazer uma transição para a próxima eleição presidencial com estabilidade e serenidade. É o que uma parte do partido, que defende isso, almeja”, disse o tucano. No entanto, o ministro Imbassahy considera o PSDB “ainda um pouco dividido”, cenário que será revelado, segundo ele, “no próximo dia dois”, data da votação na Câmara.

Da Agência Brasil

Comentários

Carregar mais em Política