Home Notícias BH Secretaria de Educação e Frente dos Evangélicos repudiam atitudes de vereador

Secretaria de Educação e Frente dos Evangélicos repudiam atitudes de vereador

As manifestações do vereador Jair Di Gregório (PP) contrárias à exposição “Faça Você Mesmo Sua Capela Sistina”, no Palácio das Artes, no Centro de BH, têm gerado polêmica. Destaque, neste começo de semana, para a Secretaria Municipal de Educação (SME) e a Frente de Evangélicos Pelo Estado Democrático de Direito.

Primeiramente, a SME repudiou a transmissão ao vivo feita pelo vereador em sua página na rede social. O motivo foi o uso indevido das imagens de estudantes de escolas municipais sem autorização por parte dos responsáveis. Além disso, foi solicitado à Câmara Municipal de Belo Horizonte que tomasse as devidas providências contra o vereador.

De acordo com a nota, os alunos que estavam no Palácio das Artes não foram para visitar a exposição do artista mineiro Pedro Moraleida, “Faça Você Mesmo Sua Capela Sistina”. “Os alunos estavam para assistir a vídeos infantis que fazem parte de um festival de curtas-metragens em cartaz no local, sem qualquer relação com a exposição que foi alvo de críticas”, dizia.

Além do uso de imagem das crianças de forma indevida, a professora que prestou depoimento no vídeo está indignada pela veiculação do material.

Na tarde desta terça-feira (10), a Frente de Evangélicos Pelo Estado Democrático de Direito – núcleo Minas Gerais – publicou uma nota na qual, assim como a SME, indagada o posicionamento do vereador quanto a utilizar a imagem das crianças no vídeo. “Repudiamos a ação do referido edil por, em oposição ao Evangelho, que prima pela verdade e coerência, utilizar-se de informação inverídica, e mais ainda, incitando o ódio contra a cultura, atitude que não cremos coadunar com o espírito do Evangelho”, diz trecho da nota.

No conteúdo publicado na nota percebe-se apoio à exposição de Pedro Moraleida e rejeição à censura. “É bom lembrar que, como Frente, somos contrários a qualquer tipo de censura, prática comum nos tempos sombrios de Ditadura Militar que recentemente sofremos em nosso País e que parece querer voltar com força em tempos de Golpe e de supressão de Direitos de determinados grupos e da população brasileira”, diz a note.

Em resposta à SME, Jair Di Gregório divulgou nota na qual pede, “publicamente, desculpas” às pessoas filmadas. No entanto, ele afirma que continuará lutando contra aquilo que acredita ser a “erotização infantil, pedofilia e ideologia de gênero”.

O Bhaz entrou em contato com a assessoria do vereador para poder saber sua opinião sobre a nota da Frente de Evangélicos Pelo Estado Democrático de Direito. Sua assessoria informou que iria encontra contato com a redação, mas, até o fechamento desta matéria, isso não havia ocorrido.

Nessa segunda-feira (9), o prefeito Alexandre Kalil (PHS) visitou a exposição e disse que ela “não tem nada demais”. No começo da noite, um grupo de pessoas favoráveis à exibição das obras realizou manifestação em frente ao Palácio das Artes.

Nota veiculada pela Secretaria Municipal de Educação

A Secretaria Municipal de Educação (Smed) vem a público explicitar seu total repúdio à veiculação de imagens de estudantes de escolas municipais em um vídeo que tem o intuito de denunciar uma exposição artística do Palácio das Artes. Os alunos que aparecem no vídeo não foram ao local para ver tal exposição e foram filmados sem autorização dos professores e sem qualquer documento de autorização de uso de imagem assinado pelos responsáveis, em uma situação fora do contexto da excursão escolar.

Os alunos estavam no Palácio das Artes para assistir a vídeos infantis que fazem parte de um festival de curtas-metragens em cartaz no local, sem qualquer relação com a exposição que foi alvo de críticas. A professora que dá um depoimento no vídeo está indignada por ter sua imagem veiculada no material, uma vez que a atividade escolar que os levou ao Palácio nada tem a ver com a exposição em cartaz, e já manifestou publicamente repúdio em relação à edição das imagens.

Ao veicular o vídeo com a presença dos estudantes, quem o faz não só expõe irresponsavelmente a imagem das crianças, como colabora para propagar informações errôneas sobre as ações da Smed de acesso à cultura para estudantes da Rede Municipal de Educação. Todos os anos, por exemplo, o projeto Circuito de Museus leva mais de 10 mil estudantes para visitar espaços culturais da capital, atividades essas que muitos alunos não teriam oportunidade de fazer se não fosse por intermédio da escola.

A Secretaria reforça que avalia, previamente, todos os espaços culturais aos quais os estudantes serão levados e não permite a inclusão, nesse Circuito, de obras ou exposições em desacordo com a classificação etária indicativa. Além disso, sempre que há uma excursão, é exigida autorização dos pais, que têm ciência da atividade que será proposta aos alunos.

Em face da atitude equivocada do autor do vídeo, um vereador da cidade, a Secretaria Municipal de Educação vai encaminhar uma nota de repúdio à Câmara Municipal de Belo Horizonte e ao Conselho Municipal de Educação.

Posicionamento do vereador

 

Reprodução/Facebook

Frente de Evangélicos Pelo Estado Democrático de Direito

“Nós, da FRENTE DE EVANGÉLICOS PELO ESTADO DE DIREITO – NÚCLEO MG, vimos publicamente repudiar a atitude fraudulenta do Vereador Jair Di Gregório, ao incitar a população mineira contra a exposição “Faça você mesmo sua Capela Sistina” fazendo o uso de imagens de um grupo de crianças que estava no Palácio das Artes para uma Mostra Internacional de Curtas. Mesmo sabedor disso, o vereador associou a imagem das crianças e adolescentes à exposição do artista mineiro Pedro Moraleida.

Repudiamos a ação do referido edil por, em oposição ao Evangelho que prima pela verdade e coerência, utilizar-se de informação inverídica, e mais ainda, incitando o ódio contra a cultura, atitude que não cremos coadunar com o espírito do Evangelho.

Defendemos uma sociedade plural e livre, onde todos tenham as liberdades de crença ou não crença respeitadas e sempre dentro dos princípios de civilidade.

Preocupa-nos também o uso político da imagem dos evangélicos, um grupo religioso plural, com inúmeras denominações e que não é enquadrável em um perfil monolítico. Nenhum politico, portanto, pode falar em nome de todos os evangélicos, já que existimos em multiplicidade de pensamentos e opiniões, inclusive políticas.

Além disso, também é bom lembrar que, como Frente, somos contrários a qualquer tipo de censura, prática comum nos tempos sombrios de Ditadura Militar que recentemente sofremos em nosso País e que parece querer voltar com força em tempos de Golpe e de supressão de Direitos de determinados grupos e da população brasileira, como no caso da Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência.

Entendemos ainda que toda e qualquer ação contrária às liberdades de expressão e consciência, e qualquer patrulhamento excessivo das artes em geral devem ser rechaçados por aqueles que seguem a Jesus, Senhor nosso e, historicamente alguém que sempre se colocou a favor do oprimido, e não do opressor, garantindo a todos a plena liberdade de ser.

Nenhum tipo de censura encontra eco no amor e na graça acolhedoras de nosso Mestre.

Contra a intolerância e sempre a favor das liberdades. Sempre!

No amor do Mestre Jesus,

FRENTE DE EVANGÉLICOS PELO ESTADO DE DIREITO – NÚCLEO MINAS GERAIS”

Comentários

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Jornalista no Portal Bhaz

Carregar mais em BH