Home Notícias BH Falta de produtos médicos ameaça funcionamento do Hospital Júlia Kubitschek

Falta de produtos médicos ameaça funcionamento do Hospital Júlia Kubitschek

Após os médicos do Hospital João XII (Hospital do Pronto Socorro) entrarem em estado de greve por conta das péssimas condições de trabalho e falta de estrutura no local, o Hospital Júlia Kubitschek, no bairro Milionários, na região do Barreiro, ameaça fechar as portas nesta sexta-feira por falta de materiais médicos, segundo informação do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais (Sinmed).

Segundo o Sinmed, os profissionais reivindicam da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) o abastecimento imediato de materiais médico-hospitalar e medicamentos. “Sem isso, não é possível manter a unidade funcionando. Hoje, no hospital, faltam mais de 200 itens, que incluem até luvas de procedimento e fitas de esterilização”, diz a nota do sindicato.

Ainda segundo o sindicato, desde maio, a direção técnica do Julia Kubitschek havia avisado à Fhemig que a situação do hospital era crítica e, mesmo assim, não houve nenhum retorno da Fundação.

Em ofício enviado essa semana, os profissionais alertaram o gestor sobre a possibilidade de fechamento dos serviços caso não fosse apresentada, até esta sexta (15) uma resposta definitiva para o desabastecimento.

“Não se trata de um movimento grevista, a gravidade da situação está obrigando os profissionais a tomarem atitudes ainda mais extremas, visto que não há como manter o hospital funcionando sem os insumos essenciais”, diz o Sinmed.

Fhemig promete solução rápida

A Fhemig, por meio de nota, disse que nesta quarta-feira (13), em reunião, ouviu as necessidades de cada hospital e já está providenciando a liberação de recursos junto à Secretaria de Estado de Fazenda e Secretaria de Estado de Saúde para garantir a assistência ao usuário do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Nenhuma unidade hospitalar irá suspender os serviços e o atendimento no hospital Júlia Kubitschek estará totalmente normalizado até segunda-feira (18). Não há superlotação, as equipes médicas estão completas e o atendimento de urgência e emergência está funcionando normalmente na unidade”, diz a nota da fundação.

Comentários

Rafael D'Oliveira

Jornalista e redator do portal Bhaz

Carregar mais em BH