PM proíbe manifestação contra Bolsonaro e ameaça tradicional bloco de BH

Henrique Coelho/BHAZ

Rafael D’Oliveira e Vitor Fernandes

A Polícia Militar informou na noite desta sexta-feira (1º), véspera do calendário tradicional do Carnaval, que não vai tolerar manifestações políticas durante a folia de Belo Horizonte. O bloco Tchanzinho Zona Norte, que saiu na região da Pampulha, foi ameaçado pelos militares que faziam a segurança da atração após puxar grito de repúdio contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL).

O bloco transcorria normalmente, quando, por volta das 20h, o chefe do policiamento no local, capitão Lisandro Sodré, ameaçou suspender a segurança caso houvesse nova manifestação, por parte do bloco, contra Bolsonaro.

“Ele [capitão Sodré] subiu no trio e disse que não queria gritos contra o Bolsonaro e nem a favor do Lula, que, na opinião dele é um preso, vagabundo e condenado. Nós questionamos se era um posicionamento oficial da PM, da Prefeitura, da Belotur e não tivemos resposta”, contou ao BHAZ Lilian Macedo, organizadora da atração. “Por fim, ele assumiu que era uma posição dele. Logo após, ele ameaçou largar a segurança do bloco”, complementou.

Henrique Coelho/BHAZ

A intervenção ocorreu logo após o vocalista do grupo puxar um canto criticando Bolsonaro e apoiando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “O Tchanzinho respeita as minorias, que na verdade são a maioria. Somos um bloco que respeita a democracia. Todo mundo é bem-vindo, mas, se por acaso, não concordar, vai se incomodar porque vamos falar o bloco inteiro: Bolsonaro é o cara***. Lula livre”, disse o cantor, no microfone (veja no vídeo abaixo).

Após a abordagem da PM, os organizadores orientaram a bateria que cessasse os protestos. Contudo, o público continuou os xingamentos dirigidos ao presidente. “O Thanzinho é um bloco politizado, assim como o Carnaval de BH. Não vamos parar, pois, oficialmente, ainda não estamos em uma ditadura”, disse.

‘Ação positiva’

O BHAZ conversou com o porta-voz da Polícia Militar, Major Flávio Santiago, sobre a ocorrência. Ele afirmou que ainda não tinha ciência do ocorrido, contudo, considerou a medida do capitão Sodré como positiva.

“A polícia faz um esquema para, de forma preventiva, coibir manifestações políticas em ambientes híbridos, como o Carnaval, pois elas mexem com os ânimos e podem gerar danos sociais. Portanto, é uma intervenção positiva”, afirma.

O major explica ainda que a situação poderia ter piorado caso não houvesse a intervenção dos militares. “É um ambiente em que não há previsão de manifestações políticas. Como pode haver divergências de opiniões, em um ambiente com muitas pessoas, pode haver uma perda de controle, prejudicando a segurança, podendo provocar até uma briga generalizada, com necessidade de uso de instrumento de menor potencial ofensivo”, diz o major.

O BHAZ procurou o capitão Sodré durante o cortejo, conversando, inclusive, com outros militares da equipe dele, mas não obteve sucesso até a publicação desta reportagem.