Home Notícias BH Porteiro que violentava crianças cuidadas pela esposa é condenado a 136 anos de prisão

Porteiro que violentava crianças cuidadas pela esposa é condenado a 136 anos de prisão

Um homem de 44 anos, condenado no início do mês, por abusar sexualmente de cinco crianças, foi preso nessa terça-feira (10) em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte. A Justiça de Minas determinou pena de 136 anos de prisão para o réu. As vítimas tinham entre 4 e 10 anos e eram cuidadas pela esposa do condenado.

Ele cometia os crimes quando ficava sozinho com as crianças, conforme denúncia apresentada pelo Ministério Público de Minas Gerias (MPMG). Uma das vítimas contou que, quando dormia, era surpreendida pelo homem. Outras disseram que, para praticar os abusos, ele oferecia doces, dinheiro e ameaçava matar seus pais, caso elas contassem algo.

Os estupros começaram por volta de 2015, mas só vieram à tona em 2018. Uma das crianças chegou a ser empurrada do terceiro andar da casa, após dizer que revelaria as violências sofridas.

A mãe de uma das vítimas, que é sobrinha da esposa do criminoso, descobriu os abusos, após encontrar na galeria do celular da filha e ver uma foto da vagina da criança. Ao ser questionada sobre a imagem, a menina contou o que acontecia.

Homem nega os crimes

Em audiência, o réu negou as acusações, mas a juíza Marixa Fabiane Lopes, da Vara Especializada em Crimes contra Crianças e Adolescentes de Belo Horizonte, reconheceu os crimes praticados.

Segundo a magistrada, os boletins de ocorrência, os depoimentos inquisitoriais, a escuta especializada e a prova oral colhida nas audiências de instrução e julgamento confirmam a violação sexual. Ele foi condenado a 136 anos, 8 meses e 24 dias em primeira instância e não poderá recorrer em liberdade.

De acordo com a Polícia Civil, o homem tinha sido preso em 2018, porém foi solto em abril deste ano, após o prazo da prisão preventiva ter se encerrado. A condenação foi no dia 2 de setembro e a prisão ocorreu dias depois do mandado ter sido expedido.

Para a delegada responsável pelo caso, Érica Bastos “esta prisão representa a grande relevância no combate à violência sexual contra crianças e adolescentes, demonstrando que este tipo de delito não é mais tolerado”.

Com TJMG e PCMG

Comentários