Home NotíciasBH‘Pensar em futebol agora é coisa de débil mental’: Kalil dispara contra possível retorno do esporte

‘Pensar em futebol agora é coisa de débil mental’: Kalil dispara contra possível retorno do esporte

kalil futebol coronavírus

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), foi firme ao falar sobre uma possível volta do futebol para Belo Horizonte, em entrevista a ESPN, nessa quinta-feira (30). Para o político, pensar na volta do futebol agora é “coisa de débil mental” e um “descolamento da realidade”. A declaração foi feita no mesmo dia em que a FMF (Federação Mineira de Futebol) se reuniu com autoridades estaduais para estudar a retomada do esporte.

“O futebol envolve, pelo menos, 200 pessoas num jogo. E mais 11 caras que vão se estapear lá dentro. Vão cuspir no chão, vão cuspir um na cara do outro, vão dar tapa, cotovelada, vão abraçar na hora do gol… É um descolamento total da realidade”, começou o prefeito de Belo Horizonte.

Leia mais: Endividado, Cruzeiro tem alienação de imóvel aprovada por conselho

“Ninguém está sabendo o que é corpo em saco plástico. O Bruno Covas [prefeito de São Paulo] anunciou que tinha feito uma compra de não sei quantos [sacos plásticos para corpos]. E ele não tem culpa”. continua o político.

‘Coisa de débil mental’

Segundo Kalil, ele nunca “apertou a mão do governador de São Paulo”, nem falou com ele por telefone, nem o prefeito. “Sei que lá é o epicentro da pandemia. Agora, se não fosse feito o que foi feito, teria 50 vezes mais mortos do que tem hoje. Então, quer dizer, enquanto o prefeito está comprando saco plástico pra colocar corpo, encostando frigorífico do lado de hospital, [tem gente pensando em futebol]”.

Leia mais: Inscrições abertas para cursos em EAD da Faculdade Arnaldo

Veja trecho da entrevista:

“Esse povo é louco. Estão comprando saco plástico, estão encostando caminhão frigorífico, estão colocando caixão na rua, fazendo cova rasa, e estão pensando em futebol? Ninguém gosta de futebol mais que eu. Vocês estão achando que eu almoço no domingo com meus filhos conversando de política, de Brasília? Os meninos nem sabem o que é isso. É o papo mais chato que existe. A gente só fala de bola. Mas pensar em futebol, agora, é coisa de débil mental, vocês vão me desculpar”, continua Alexandre Kalil.

Só por decisão da Justiça

Durante a entrevista, ele ainda comentou sobre a FMF querer dar continuidade às competições estaduais. Segundo Kalil, em Belo Horizonte, só haverá jogos por decisão judicial.

“Todo mundo sabe que não sou modesto e nem demagogo. E o cara que vende churrasquinho, que está liquidado aí na rua? E o cara que tem o barzinho dele, que vende a cerveja gelada? Quem tem muito é que está com muita pressa. É pra todo mundo. Na Bélgica, na Itália, na Holanda, eles fazem o que quiserem. Aqui na cidade, a Federação Mineira, para mexer com futebol mineiro, vai ter que conversar com o prefeito. Se eles estão achando que vão chegar lá e [decretar]: ‘Vai abrir’, não vai abrir não”, reforça.

O prefeito completa rechaçando, mais uma vez, a volta do esporte. “Quem manda na cidade de Belo Horizonte e está proibindo evento é o prefeito de Belo Horizonte. Se tá achando que vai reabrir, aqui não vai abrir. A não ser que a Justiça abra. O prefeito não vai abrir. Aqui não tem futebol”.

Comentários