Home NotíciasVariedadesBlogueira Luísa Nunes Brasil tem Instagram suspenso após destilar racismo: ‘É instinto de defesa’

Blogueira Luísa Nunes Brasil tem Instagram suspenso após destilar racismo: ‘É instinto de defesa’

luisa nunes brasil racismo instagram

A blogueira Luísa Nunes Brasil teve a conta no Instagram suspensa nessa sexta-feira (5) após fazer declarações racistas na rede social. A influencer foi duramente criticada ao dizer, entre outros pontos, que o racismo é natural e que “sempre vai existir enquanto a maioria dos crimes forem causados pela população negra”.

“Se você está num parque à noite, escuro, e você vê uma pessoa andando e essa pessoa é negra e ela tem os trejeitos de uma pessoa que parece ser um criminoso você vai ficar com mais medo do que se você visse uma pessoa branca de terno e gravata. Isso é natural do ser humano”, afirmou a blogueira em uma sequência de vídeos postados no Instagram.

Leia mais: Cãozinho deformado pela própria mãe encontra novo lar e vira ‘terapeuta’

As declarações de Luísa Nunes Brasil foram motivadas justamente pelos protestos antirracistas que tomaram o mundo após George Floyd ser assassinado, no dia 25 de maio, por um policial – e o crime ter sido filmado (relembre aqui). Desde então, manifestações e movimentos – como a hashtag VidasNegrasImportam – foram realizados em todo o planeta.

‘Instinto de defesa’

Leia mais: Felipe Andreoli tatua Rafa Brites e apresentadora fica em choque

“Racismo vai existir enquanto a maior quantidade de crimes for causada pela população negra. Vai existir, gente, isso é uma coisa natural. É um instinto de defesa da gente. Vai ser sempre natural, normal e instintivo do ser humano ter um pouco do que a gente chama de racismo: julgar a pessoa pela raça”, afirmou Luísa em mais um trecho dos vídeos.

A blogueira já tinha incentivado, em outra oportunidade, o estupro no casamento. “Vocês conseguem fazer almoço sem vontade, limpar a casa sem querer, trocar fralda e amamentar no meio da noite pingando de sono, mas não pode abrir as pernas e deixar seu marido se satisfazer das necessidades dele? Então, se você estiver de dieta e comer duas vezes por dia for bom para você, você deixa todo mundo na sua casa com fome?”.

Reação

As redes sociais foram tomadas por duras críticas à blogueira. De famosos, como Felipe Neto, Paola Carosella e Bruna Marquezine, a pessoas anônimas e ativistas manifestaram a desaprovação às declarações racistas.

O comediante e também influenciador Yuri Marçal anunciou boicote ao Instagram após a rede social não se manifestar sobre o vídeo de Luísa. “Seguinte: peço desculpa aos meus seguidores mas só voltarei a postar conteúdo no Instagram quando a conta de Luísa Nunes Brasil for excluída definitivamente da plataforma, por enquanto me acompanhem no Twitter, Facebook e YouTube. Ela e eu não cabemos na mesma plataforma”, publicou, ontem.

Yuri Marçal tem cerca de 1,5 milhão seguidores, somados os diversos canais. Logo após o anúncio de boicote, o artista informou que uma equipe do Instagram entrou em contato para avisar que a conta de Luísa havia sido suspensa e que ele era muito importante para a rede social.

“Acontece que ela recebeu um número assustador de denúncias, o vídeo foi removido e ela tomou um ‘cartão amarelo’ da rede social. Falaram também sobre a importância de denunciar e que estão revendo algumas políticas”, explicou. “Ah e falaram também pra eu continuar porquê sou muito importante. Eu sei”, concluiu.

O BHAZ tentou entrar em contato com Luísa Nunes Brasil, mas não obteve sucesso até esta publicação. Tão logo ela se manifeste, este texto será atualizado.

Thiago Ricci

Thiago Ricci

Editor-chefe do BHAZ desde agosto de 2018, cargo ocupado também entre 2016 e 2017. Jornalista pós-graduado em Jornalismo Investigativo, pela Abraji/ESPM. Editor-chefe do SouBH entre 2017 e 2018; correspondente do jornal O Globo em Minas Gerais, entre 2014 e 2015, durante as eleições presidenciais; com passagens pelos jornais Hoje em Dia e Metro, TVs Record e Band, além da rádio UFMG Educativa, portal Terra e ONG Oficina de Imagens. Teve reportagens agraciadas pelos prêmios CDL, Délio Rocha, Adep-MG e Sindibel.

Comentários