Home NotíciasCoronavírusPBH pressiona Zema para abrir hospital de campanha

PBH pressiona Zema para abrir hospital de campanha

governo hospital campanha BH

O Governo de Minas sinalizou, nesta segunda-feira (15), que deve iniciar conversas para ativação do hospital de campanha instalado no Expominas, no bairro Gameleira, na região Oeste de Belo Horizonte. O secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, disse, em coletiva de imprensa na Cidade Administrativa, que o assunto será debatido ainda nesta semana.

No entanto, Carlos informou que a preferência, no momento, é ativar o máximo de leitos possíveis em unidades já existentes, como hospitais da rede estadual e municipal. “Daremos preferência para leitos mais fáceis de abrir, já com estrutura montada. Em um segundo momento, pensaremos na inauguração de hospitais de campanha, como o de BH e o de Betim”, ressaltou.

Leia mais: Adotados por conveniência: Abandono de animais se multiplica na pandemia

Situação da Covid-19

Minas tem, de acordo com dados da SES-MG (Secretaria de Estado de Saúde), 21.728 casos confirmados para o novo coronavírus e 481 mortes provocadas pela doença. Confira as mudanças em relação aos dados desse domingo (14):

  • 21.728 casos confirmados (1,26% de aumento)
  • 481 mortes provocadas pela doença (4,63% de aumento)
  • 9.694 casos em acompanhamento (0,57% de redução)
  • 11.553 de casos recuperados (3,56% de aumento)
Leia mais: Saúde analisa impacto de isolamento social no combate à Covid-19

Conversas

A movimentação se inicia com a proximidade do pico do novo coronavírus em Minas, previsto para meados de julho. Na sexta-feira (12), o secretário municipal de Saúde de BH, Jackson Machado, solicitou ao Governo de Minas a ativação do hospital para que o sistema de saúde da capital não fique sobrecarregado.

“Entrei em contato com o secretário de Saúde [Carlos Eduardo] para inaugurar o Hospital de Campanha para atender região Centro-Sul, para atender as cidades. Se não for aberto, vai pressionar BH, o que não é correto, do ponto de vista do SUS”, disse na ocasião.

Nesta segunda, Carlos Eduardo confirmou a conversa. “Realmente tive contato com o Jackson na semana passada e conversamos brevemente sobre avaliações do contexto da epidemia na cidade e região metropolitana e no Estado. Entendemos que temos a capacidade de ampliação de leitos tanto em Minas quanto na região metropolitana”, disse o secretário de Estado.

Carlos afirmou que, ainda nesta semana, as suas secretarias – estadual e municipal – deve, se reunir para debater a abertura do hospital de campanha. “Nós agendamos com as equipes técnicas das secretarias municipal e do Estado para ver os dados de ampliação de leitos, quantos leitos são necessários e a programação do isolamento adequado”, acrescentou.

Hospital
de campanha

O centro de saúde para o combate ao avanço do novo coronavírus em Minas foi instalado no Expominas, em BH. O local, que já foi palco de shows e eventos, recebeu a estrutura com 768 leitos destinados ao tratamento de infectados pela Covid-19 (saiba mais aqui).

O hospital de campanha será dividido em três blocos. O primeiro, chamado de bloco amarelo, que deve ser entregue até o fim do mês. O espaço contará com 260 leitos de enfermaria, com suporte básico.

Os outros dois blocos, azul e verde, disponibilizarão 220 e 260 leitos, respectivamente. Eles serão ativados em caso de necessidade (aumento no número de casos) e têm a mesma estrutura.

Reforce a proteção contra o vírus

A SES-MG orienta que a população tome algumas medidas de higiene respiratória para evitar a propagação da doença, são elas:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabonete por pelo menos 20 segundos, respeitando os 5 momentos de higienização. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool.
  • Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas.
  • Evitar contato próximo com pessoas doentes.
  • Ficar em casa quando estiver doente.
  • Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo.
  • Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.
Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários