Covid-19: Número de casos em BH pode ser 20 vezes maior, diz estudo

Em Boletim Temático do projeto-piloto, pesquisadores sugerem mais testagem para monitorar efeitos da reabertura do comércio (Acervo/Monitoramento COVID Esgotos + Amanda Dias/BHAZ)

Dados do projeto de monitoramento dos esgotos de Belo Horizonte, apontam que o número de infectados pelo novo coronavírus na capital mineira pode ser 20 vezes maior que o divulgado no boletim epidemiológico da prefeitura. 

Nessa sexta-feira (26), Belo Horizonte registrava 5.195 casos confirmados e 121 óbitos, de acordo com a SMS (Secretaria Municipal de Saúde.

Para os pesquisadores do INCT/UFMG (Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto da Universidade Federal de Minas Gerais), essa diferença pode ser determinada por diversos fatores.

“A dificuldade na ampliação da testagem e o reflexo de que as estimativas feitas com dados do esgoto mostram os casos assintomáticos. Também há conexão do aumento no número estimado de pacientes infectados com a reabertura do comércio”, explica o diretor da ANA (Agência Nacional das Águas), Marcelo Cruz. 

100% das amostras

O grupo de pesquisadores detectou o novo coronavírus em 100% das amostras de esgoto coletadas na bacia do Córrego do Onça, que atende Belo Horizonte e Contagem. As coletas foram feitas entre 1 a 5 de junho (leia aqui).

Monitoramento Covid Esgotos

O projeto-piloto Monitoramento COVID Esgotos tem o objetivo de acompanhar a presença do novo coronavírus nas amostras de esgoto coletadas em diferentes pontos do sistema de esgotamento sanitário das cidades de Belo Horizonte e Contagem, na região metropolitana, inseridos nas bacias hidrográficas dos ribeirões Arrudas e do Onça.

Os estudiosos pretendem identificar tendências e alterações na ocorrência do vírus nas diferentes regiões analisadas para entender a prevalência e a dinâmica de circulação do vírus. 

Com Agência Nacional das Águas

Marcela Gonzaga
Marcela Gonzagamarcela.gonzaga@bhaz.com.br

Editora do BHAZ desde fevereiro de 2020. Jornalista graduada pela Newton Paiva. Trabalhou como produtora de TV e chefe de produção durante 14 anos, com passagens pela RecordTV, Rede Minas, RedeTV!, TV TRT-MG e TV TJMG.