Filho mata o pai e faz ritual por acreditar que o homem era vampiro; incêndio alertou autoridades

Defesa alegou que o homem sofre de distúrbios mentais (Reprodução + Westmorelan Country Prison)

Um homem de 40 anos foi acusado, nos Estados Unidos, pelo assassinato brutal do próprio pai, de 92. Douglas Novak justificou o crime às autoridades dizendo acreditar que o genitor era um vampiro. Ele pode ser condenado de 10 a 30 anos de prisão. As informações são do Pittsburgh’s Action News.

Em dezembro de 2017, Douglas espancou o pai, Frank Novak, utilizando um pedaço de madeira, na casa da família em Hempfield, na Pensilvânia.

Depois, ele acendeu velas ao redor da cama em um ritual com objetivo de “prender” o suposto espírito maligno do pai e esperava que ele acordasse para lhe pregar uma estaca no coração. As velas causaram um incêndio na casa, permitindo que as autoridades descobrissem o crime brutal.

Ao júri, Novak confessou o crime mas alegou sofrer de distúrbios mentais desde os 21 anos. O advogado Brian Aston disse que o cliente foi diagnosticado com transtorno bipolar e esquizofrenia e que, na ocasião, houve um erro na medicação de Novak, o que o levou a perder o controle.

Na defesa, Aston argumentou que “na época, foram necessários nove policiais e guardas do xerife para levá-lo ao veículo e chegar até lá [no hospital], e hoje ele é um detento modelo e um funcionário da prisão”, disse. “Essa é a diferença que o tratamento e a medicação adequada fizeram para ele”, completou Aston.

Promotores da acusação, no entanto, disseram que Novak confessou à polícia que matou o pai porque o idoso estava escondendo o telefone dele.

Moisés Teodoro
Moisés Teodoromoises.santos@bhaz.com.br

Fotógrafo e Analista de Mídias Digitais no BHAZ desde abril de 2019. Formado em Publicidade e Propaganda no Centro Universitário UNA. Escreve no portal com foco nas editorias de Cidades e Variedades, além de fotografar em coberturas de grandes eventos.