Home NotíciasMinas GeraisCansada de ver a filha ser agredida, sogra mata genro em Minas

Cansada de ver a filha ser agredida, sogra mata genro em Minas

policia civil militar minas gerais

Uma mulher de 59 anos resolveu colocar fim às agressões sofridas pela própria filha ao matar o genro na noite desse sábado (11). A gota d’água, segundo a Polícia Militar, teria sido uma ameaça que o homem proferiu contra a sogra, ao dizer que também lhe “daria uma surra”. O caso ocorreu em um povoado no interior de Minas, no Vale do Mucuri.

O distrito onde ocorreu o crime chama-se Água Quente, no município de Águas Formosas. Por volta das 19h de ontem, o homem de 43 anos começou a discutir com a esposa, também de 43, e a sogra. Em um determinado ponto da briga, ele ameaçou a mãe da companheira ao afirmar que também “daria uma surra” nela.

Leia mais: Homem mata amigo e diz que o confundiu com javali no interior de MG

Os militares responsáveis pelo policiamento do povoado afirmaram ao BHAZ que as agressões do homem contra a esposa eram constantes. Esse fato, somado à ameaça, motivaram a sogra a se armar com uma faca e dar um golpe no peito do genro. Ele chegou a ser levado a uma unidade de saúde e internado ainda com vida, mas morreu pouco após dar entrada.

A autora do homicídio ainda fugiu e tentou se abrigar no sítio de um familiar, já na zona rural de Almenara, cujo centro urbano fica a cerca de 130 km de Águas Formosas. No entanto, ela foi encontrada e presa pelos militares por homicídio consumado.

Denuncie

Leia mais: Cidade mineira decreta toque de recolher após ‘surto’ de Covid-19

Especialistas ouvidas pelo BHAZ são unânimes ao afirmar que é essencial que a mulher procure ajuda quando sofre algum tipo de violência. Na capital mineira, além da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher, existem ao menos outras três instituições que atendem esse público: Nudem (Núcleo de Defesa da Mulher), da Defensoria Pública; Casa Benvinda, da Prefeitura de Belo Horizonte; e Casa de Referência Tina Martins, do chamado terceiro setor, sem vínculo governamental (veja mais informações abaixo).

“É muito importante que a vítima procure o profissional de sua confiança: advogado ou defensoria pública, órgãos de proteção… Para que aquilo não exploda de vez. Vai sofrendo, vai sofrendo ameaça, pressão psicológica, são agredidas moral e psicologicamente dentro de casa. Vai aguentando por causa dos filhos… Na hora que algo explode, pode até mesmo ser fatal”, orienta a conselheira seccional da OAB Minas, Camila Félix, também professora de Direito Penal e advogada.

Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher: av. Barbacena, 288, Barro Preto | Telefones: 181 ou 197 ou 190
Casa de Referência Tina Martins: r. Paraíba, 641, Santa Efigênia | 3658-9221
Nudem (Núcleo de Defesa da Mulher): r. Araguari, 210, 5º Andar, Barro Preto | 2010-3171
Casa Benvinda – Centro de Apoio à Mulher: r. Hermilo Alves, 34, Santa Tereza | 3277-4380

Thiago Ricci

Thiago Ricci

Editor-chefe do BHAZ desde agosto de 2018, cargo ocupado também entre 2016 e 2017. Jornalista pós-graduado em Jornalismo Investigativo, pela Abraji/ESPM. Editor-chefe do SouBH entre 2017 e 2018; correspondente do jornal O Globo em Minas Gerais, entre 2014 e 2015, durante as eleições presidenciais; com passagens pelos jornais Hoje em Dia e Metro, TVs Record e Band, além da rádio UFMG Educativa, portal Terra e ONG Oficina de Imagens. Teve reportagens agraciadas pelos prêmios CDL, Délio Rocha, Adep-MG e Sindibel.

Comentários