Incêndio destrói mais de 4 mil hectares de área verde em três dias

bombeiros divulgação fotos incêndio
os chamados para combater focos de incêndio foram registrados desde a meia-noite de sábado até a madrugada de hoje (Corpo de Bombeiros/Divulgação)

A semana em Minas começou com mais um dia intenso de trabalhos do Corpo de Bombeiros para tentar controlar os incêndios que tomam conta do estado. A combinação de tempo seco, ventos e irresponsabilidade de parte da população já causou 285 focos de incêndio que destruíram uma área de mais de 4,3 mil hectares e continua acendendo alertas em todas as regiões.

De acordo com a corporação, os chamados para combater focos de incêndio foram registrados desde a meia-noite de sábado até a madrugada de hoje (14). Os militares ainda não conseguem calcular exatamente quais são as regiões mais afetadas ou a área total atingida, principalmente porque os maiores incêndios continuaram durante esta segunda.

Serra da Moeda

O incêndio mais preocupante até o momento acontece na Serra da Moeda, na região metropolitana de BH. A operação de combate às chamas no local começou no último sábado (12) e mobilizou bombeiros, brigadistas e voluntários. Ao todo, foram detectados sete focos de incêndio apenas na região e estimativas recentes da corporação dão conta de que as chamas já devastaram uma área de 4,2 mil hectares.

Bombeiros tentam conter as chamas desde sábado
(Divulgação/Corpo de Bombeiros)

A preocupação dos combatentes desde o início foi proteger as áreas próximas de residências. Dois pontos, que eram os mais críticos foram controlados durante a manhã e agora, durante a noite, as equipes devem eliminar um terceiro foco. Para ajudar no combate, os militares usaram aviões do tipo Airtractor e quase 20 mil litros de água. A previsão é que os trabalhos se encerrem amanhã.

Capão da Lagoa

Os bombeiros também tiveram trabalho no município de Ituiutaba, neste domingo (13). Um incêndio ameaçou uma área de preservação da cidade, com chamas altas que destruíram cerca de mil metros quadrados da área de mata.

Área de mata pegou fogo em Ituiutaba (Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Os militares levaram mais de duas horas para conter as chamas e precisaram utilizar abafadores e um caminhão de combate. Ainda não foi possível identificar o que causou o incêndio.

O fim de semana também foi intenso no combate a várias queimadas que assolaram áreas verdes em Minas Gerais (relembre aqui).

Prevenção

Segundo o Corpo de Bombeiros, além do tempo seco e a ação do vento, o principal contribuinte para grande parte das queimadas e incêndios florestais é o homem. Ao atear fogo para limpar terrenos e trilhas – que são os exemplos mais comuns – é possível provocar um incêndio florestal de grandes proporções e muitas vezes irreparável.

Para evitar queimadas, não jogue pontas de cigarro na beira de estradas, nem descarte lixo em locais indevidos. Latas de metal e cacos de garrafa podem se aquecer e dar origem a queimadas. Fogueiras devem se feitas somente em locais limpos, sem vegetação. Após o uso, elas devem ser bem apagadas.

Vale reforçar que “causar incêndio, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de outrem” é crime previsto no artigo 250 do Código Penal e pode render até seis anos de prisão – dois, se for culposo. A pena, aliás, pode aumentar se o incêndio for em casa habitada ou destinada a habitação; em edifício público ou destinado a uso público ou a obra de assistência social ou de cultura; entre outros (leia a artigo aqui).

Para queimas controladas, procure sempre o IEF (Instituto Estadual de Florestas) para ser orientado e receber uma autorização. Em caso de emergência, ligue 193.

Edição: Roberth Costa
Camila Saraiva
Camila Saraivacamila.saraiva@bhaz.com.br

Jornalista formada pela PUC-Minas em 2015. Pós-graduada em Jornalismo em Ambientes Digitais pelo Centro Universitário UniBH em 2019.

Comentários