Criança é picada por escorpião e socorrida pelo helicóptero da Polícia Civil

Socorristas colocam criança em helicóptero
Criança é picada por escorpião e socorrida pelo helicóptero da Polícia Civil (Polícia Civil de Minas Gerais/Reprodução)

Uma criança de um ano e meio foi picada por um escorpião, na tarde desse domingo (13), em Itabira, na região Central do estado. O menino foi socorrido por um helicóptero da Polícia Civil e atendido no hospital Felício Rocho. Não há informações sobre o estado de saúde da vítima.

De acordo com a especialista em toxinologia, Maria Elena de Lima Perez Garcia, o socorro das vítimas de picadas de escorpião deve ser imediato. Principalmente quando se trata de criança ou um idoso. “O grande problema é que o veneno injetado é proporcional à massa corporal da pessoa picada. Então, em uma criança, o quadro é mais grave, podendo causar vários efeitos colaterais neurotóxicos, no coração, além de muita dor na região atingida. O indicado é o tratamento ser feito em até uma hora depois da picada”, explica.

Cuidados

A especialista ressalta ainda que o escorpião se adaptou muito bem em áreas urbanas e, como ele se reproduz rápido, fica mais difícil controlar a população do animal.

“Trata-se de um inseto hermafrodita, que não precisa do macho para se reproduzir. Ele se alimenta de pequenos insetos, como baratas, e por ser resistente à dedetização, o ideal é manter o ambiente limpo, sem entulhos e sujeiras. As galinhas também ajudam no combate, já que se alimentam dele”, detalha.

Na capital, os moradores devem ficar atentos, mesmo em apartamentos. “Aqui vemos mais o escorpião amarelo, o mais venenoso. Ele é comum em época de chuva e calor, mas como estamos vivendo tempos atípicas, pode aparecer em qualquer temporada do ano”, ressalta a pesquisadora do Instituto de Ensino e Pesquisa da Santa Casa de Belo Horizonte.

Camila Saraiva
Camila Saraivacamila.saraiva@bhaz.com.br

Jornalista formada pela PUC-Minas em 2015. Pós-graduada em Jornalismo em Ambientes Digitais pelo Centro Universitário UniBH em 2019.

Comentários