Policial morre atropelado por trem enquanto trabalhava em Juiz de Fora

Imagem de linha férrea em Juiz de Fora
Sargento da PM estava fazendo ronda quando foi atingido (Reprodução/Google Street View)

Um sargento da Polícia Militar de Minas Gerais morreu atropelado por um trem enquanto fazia uma ronda em uma linha férrea na cidade de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira.

O policial de 52 anos estava trabalhando na companhia de outros dois colegas, quando desceu da viatura e foi em direção aos trilhos do trem na altura da avenida Francisco Valadares, no bairro Furtado de Menezes. O acidente ocorreu na tarde de ontem (12) e o local é um conhecido ponto de drogas.

Segundo a PM, o colega do sargento avistou o trem se aproximando no momento em que a vítima se direcionava ao local para uma averiguação. Ele pensou que o policial tinha desviado, mas só se deu conta do acidente quando ouviu o apito do trem e viu que ele freou de repente.

O maquinista do trem alegou aos militares que fez uma curva e avistou o homem no trilho, e em seguida acionou a buzina. O policial foi socorrido pelo Samu, mas morreu no local.

Em nota, a MRS, empresa responsável pela locomotiva disse lamentar profundamente o ocorrido e alegou que todos os procedimentos de segurança foram tomados para evitar o acidente (veja a nota na íntegra abaixo).

O enterro do sargento ocorreu hoje (13) pela manhã em Juiz de Fora.  

O que disse a MRS?

A MRS lamenta profundamente o ocorrido. O maquinista trafegava cumprindo todos os procedimentos de segurança (velocidade compatível com o trecho, uso da buzina e luzes da locomotiva), quando avistou uma pessoa sobre os trilhos da linha férrea.

O freio de emergência foi acionado de imediato. Uma composição ferroviária pode percorrer 1km até sua parada completa, não tendo sido possível evitar o atropelamento“.

Edição: Roberth Costa
Camila Saraiva
Camila Saraivacamila.saraiva@bhaz.com.br

Jornalista formada pela PUC-Minas em 2015. Pós-graduada em Jornalismo em Ambientes Digitais pelo Centro Universitário UniBH em 2019.

Comentários