China reage a Eduardo Bolsonaro: ‘Vai arcar com as consequências’

eduardo bolsonaro câmara dos deputados
Eduardo Bolsonaro atacou a China novamente (Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

Por Victor Fuzeira

A Embaixada da China rebateu, nesta terça-feira (24), as declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) sobre supostas espionagens cibernéticas que estariam sendo promovidas pelo Partido Comunista da China. Na manifestação, feita no Twitter, o parlamentar defendeu, ainda, a discriminação da tecnologia 5G do país asiático.

Na postagem, posteriormente apagada pelo parlamentar, o deputado federal afirmou que o Brasil irá aderir a um programa de tecnologia que “pretende proteger seus participantes de invasões e violações às informações particulares de cidadãos e empresas”. Eduardo se referia ao programa Clean Network, do governo federal.

Sem provas, o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirma que as espionagens cibernéticas “ocorrem em entidades classificadas como agressivas e inimigas da liberdade, a exemplo do Partido Comunista da China”. As declarações não repercutiram positivamente. Em nota, os representantes chineses afirmaram que a fala de Eduardo “não são condignas com o cargo de presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados. Isso é totalmente inaceitável e manifestamos forte insatisfação e veemente repúdio a esse comportamento”, reforça a nota.

Leia a reportagem completa no Metrópoles, parceiro do BHAZ.

Comentários