Deputado Fernando Cury será investigado criminalmente por assediar Isa Penna

Deputado apalpa seio
Cena gerou revolta nas redes sociais (Reprodução/Alesp/YouTube)

O TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) autorizou a abertura de investigação criminal contra o deputado estadual Fernando Cury (Cidadania), que assediou a também deputada Isa Penna (PSOL) no ano passado. O caso ocorreu durante uma sessão da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo).

Na decisão, o desembargador relator João Carlos Saletti ordena que a presidência da casa legislativa entregue à Justiça as filmagens que mostram o deputado assediando a colega de trabalho. “A sessão legislativa foi transmitida oficialmente e o vídeo com os fatos está amplamente disponível na rede mundial de computadores”, diz o desembargador na ação.

Saletti também determina que 11 deputados deponham como testemunhas do caso. São eles: Cauê Macris, Carlos Eduardo Pignatari, Alex de Madureira, Barba, Gilmaci dos Santos Barbosa, Roberto Morais, Carlos Gianazzi, Ricardo Melão, André Prado e as deputadas Erika Malunguinho e Professora Bebel. A deputada Isa chegou a criticar em suas redes sociais o silêncio do presidente da Assembleia, Cauê Macris.

Relembre o caso

O vídeo mostra o deputado estadual Fernando Cury (Cidadania-SP) passando a mão no seio da deputada Isa Penna (PSOL-SP), no meio de uma sessão extraordinária na Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo), no dia 16 de dezembro de 2020. A parlamentar chegou a registrar um Boletim de Ocorrência eletrônico e também uma representação no conselho de ética da Alesp contra Cury.

No vídeo, Fernando Cury aparece conversando com outros parlamentares, antes de virar em direção à deputada, que está apoiada na mesa diretora da Casa. Ele posiciona o corpo atrás dela e coloca a mão direita no seu seio, apalpando-o. A deputada, então, afasta a mão do parlamentar em gesto de revolta.

Isa Penna repudiou o assédio sofrido nas redes sociais e mencionou que duas deputadas estaduais e colegas de partido, Monica Seixas e Erica Malunguinho, também já foram assediadas na Alesp. A parlamentar afirmou que fará um registro do ocorrido junto à polícia e ao Conselho de Ética da Casa.

“O caso que a gente vive não é isolado. A gente vê a violência política e institucional contra as mulheres o tempo todo. O que dá direito de alguém encostar numa parte íntima do meu corpo. Meu peito é íntimo. É o meu corpo. Eu estou aqui pedindo pelo direito de ficar de pé e conversar com o presidente da Assembleia sem ser assediada”, disse a deputada em discurso no plenário, nesta quinta-feira (17).

Deputado negou

Apesar do momento ter sido registrado em vídeo, o deputado estadual Fernando Cury negou que tenha cometido assédio ou importunação sexual. Em discurso no plenário, também nesta quinta-feira, o parlamentar pediu desculpas por “abraçar” a deputada.

“Subo aqui hoje nessa tribuna muito constrangido e muito triste pelo fato que foi aqui ocorrido e relatado, pelo julgamento feito, mas estou aqui para passar a minha versão para vocês. Em primeiro lugar, gostaria de frisar a todos, principalmente as mulheres que estão aqui, que não houve, de forma alguma, da minha parte, a tentativa de assédio, importunação sexual ou qualquer outra coisa ou qualquer outro nome semelhante a esse”, começou.

Edição: Maira Monteiro
Jordânia Andrade
Jordânia Andradejordania.andrade@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Comentários