Sorrindo de nervoso: Galo escorrega de novo e vê até G4 ameaçado

nathan galo bahia brasileirão mineirão
Nathan lamenta durante empate entre Galo e Bahia (Cristiane Mattos/Futura Press/Folhapress)

Se as chances de título atleticano já são quase protocolares há um tempo, agora elas podem se tornar nulas matematicamente. Pior: até a vaga no G4, que assegura classificação direta para Libertadores, está ameaçada. Esse é o cenário para o Galo após mais um escorregão, desta vez contra o Bahia, no Mineirão, na noite deste sábado (13). O alvinegro mineiro não passou do 1 a 1 e completou a terceira rodada sem vitória.

Para até mesmo a matemática – e a esperança por um milagre – abandonar o Galo, basta uma simples vitória do Inter amanhã, contra o ameaçado Vasco, que ocupa o Z4. O Atlético volta a campo no próximo domingo (21), quando cumpre a penúltima rodada contra o Sport. Antes, o atleticano torce contra o Fluminense e por um empate entre Grêmio e São Paulo – seria demais, além de perder o sonhado bi, ver a vaga direta da Libertadores escapar das mãos.

Bahêa animado

O jogo começou movimentado. Logo no começo, o Bahia perdeu grandes chances de abrir o placar. Antes do primeiro minuto de bola rolando, Rossi recebeu na área livre de marcação, mas chutou rente à trave direita de Everson. Aos 11 , o time tricolor fez um contra-ataque perigoso com boa troca de passes. Nino Paraíba tentou cruzar, a bola sobrou para Gabriel Novaes, mas o atacante chutou direto em Everson. Rodriguinho pegou o rebote e Réver evitou o chute dele.

Quem não faz, leva!

Você já sabe, né?! Quem não faz… Mesmo levando aquela pressãozinha básica, o Galo estava atento no jogo e, no seu primeiro ataque perigoso, fez o gol. Guilherme Arana fez cruzamento perfeito e Sasha cabeceou sozinho para fazer seu 9º tento com a camisa alvinegra. Sorriso no rosto das atleticanas e atleticanos!

Levou perigo

Apesar da desvantagem, o Bahia continuava tentando o gol e, ao final do 1T, chegou bem duas vezes. Aos 41, Nino Paraíba foi desarmado na área, mas a bola sobrou para Rodriguinho, que chutou rasteiro pertinho da trave. Cerca de 2 minutos depois, Gabriel Novaes arrancou, saiu cara a cara com Everson, tentou chutar de cobertura, mas o goleiro evitou o gol.

‘Me deixa feliz, por favor’

A felicidade do torcedor do Galo durou pouco. Logo no início no 2T, o Bahia conseguiu manter o ritmo de ataque e chegou ao empate com apenas 1 minuto. Rossi arrancou em velocidade, se livrou da marcação de Junior Alonso e chutou forte, sem chances para Everson. O atacante se redimiu de boa chance perdida no início do jogo.

O Galo ainda tentou responder rapidamente, logo aos 8, com um chute perigoso de Arana. Mas a bola desviou na zaga e saiu pela linha de fundo. Tristeza e decepção no rosto das atleticanas e atleticanos.

Inacreditáavel!!!

O tricolor baiano não estava para brincadeira e quase virou o jogo aos 24 do 2T. Elton chutou uma bomba de fora da área e a bola explodiu no travessão. Pouco depois, aos 27, o time da casa respondeu com mais um lance incrível no jogo: Marrony cabeceou e o goleiro Mateus Claus fez um milagre para evitar o gol atleticano.

O Bahia ainda teve força para ameaçar novamente. Aos 33, em lance semelhante ao do gol tricolor, Gabriel Novaes invadiu a área, ganhou de Réver, mas chutou nas mãos de Everson. Fim de papo: 1 a 1.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO 1 X 1 BAHIA

Local: Independência, em Belo Horizonte (BH)
Data: Sábado, 13 de fevereiro de 2021
Horário: 19h (Horário de Brasília)
Árbitro: Raphael Claus (Fifa-SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse (Fifa-SP) e Daniel Paulo Ziolli (SP)
VAR: Pablo Ramon Goncalves Pinheiro (RN)
Cartões amarelos: Sávio (CAM) Ronaldo (BAH)
Gols:
ATLÉTICO: Eduardo Sasha (19’1T)
BAHIA: Rossi (01’2T)

ATLÉTICO: Everson; Guga, Réver, Júnior Alonso e Guilherme Arana; Jair, Nathan (Franco) e Hyoran (Vargas); Savarino, Eduardo Sasha e Marrony (Sávio).
Técnico: Jorge Sampaoli

BAHIA: Mateus Claus; Nino Paraíba, Ernando (Juninho), Lucas Fonseca e Matheus Bahia; Gregore, Ronaldo e Patrick de Lucca (Elton); Rossi (Luiz Felipe) (Juninho Capixaba), Gabriel Novaes e Rodriguinho.
Técnico: Dado Cavalcanti

Edição: Thiago Ricci
Beatriz Kalil Othero
Beatriz Kalil Otherobeatrizkof@gmail.com

Mineira de BH, graduanda em jornalismo pela UFMG e fascinada por futebol, dentro e fora das quatro linhas. Cobre os jogos dos times mineiros como repórter freelancer para o BHAZ.

Comentários