Buscas em Brumadinho voltam a ser suspensas por conta da Covid-19

brumadinho
Buscas já haviam sido interrompidas em março de 2020 pelo mesmo motivo (Amanda Dias/BHAZ)

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais anunciou que vai suspender novamente as buscas pelas 11 vítimas do rompimento da barragem em Brumadinho. A decisão foi tomada em função dos riscos causados pela pandemia de Covid-19, após o anúncio de colapso no sistema de saúde e de restrições severas em todos os municípios mineiros. As buscas, que foram interrompidas pela primeira vez em março de 2020, após 421 dias de trabalho, ficarão suspensas a partir desta quarta-feira (17). A medida é válida enquanto durar a determinação do Governo de Minas.

“A operação reúne indivíduos de diferentes regiões do estado, podendo por essa característica ser um centro de contaminação e disseminação do agente coronavírus”, disse a corporação, em nota (leia na íntegra abaixo). Segundo o Corpo de Bombeiros, a situação impõe a necessidade de “agir com prudência preservando a saúde não somente dos militares, mas de colaboradores” e “evitar o agravamento da estrutura de saúde que já se encontra comprometida”.

Nesta quarta, a corporação fará a desmobilização das equipes que trabalham no local. O Corpo de Bombeiros esclareceu ainda que, durante o período de restrições, somente alguns militares permanecerão na base de operações para viabilizar que os funcionários da Vale mantenham as atividades essenciais de preparação da área e drenagem do terreno. Ainda segundo a corporação, a mineradora não poderá manejar os locais que ainda não foram vistoriados enquanto os bombeiros não estiverem no local.

‘Compromisso inalterado’

A suspensão, apesar de importante para a integridade das equipes, abafa as esperanças das 11 famílias que ainda esperam ter os corpos de seus entes queridos localizados. Nos dois anos que se seguiram à tragédia, a interrupção em março de 2020 foi o primeiro hiato no trabalho que já conseguiu encontrar e identificar 259 vítimas.

Apesar da nova interrupção, a corporação reforça que a mentalidade continua sendo a mesma que motivou as equipes em todos esses meses de trabalho. “Cabe ressaltar que o compromisso firmado pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais para com as famílias das 11 joias que permanecem desaparecidas se mantém inalterado”, diz a nota.

Nota do Corpo de Bombeiros na íntegra

Em alinhamento com a nova diretriz do Governo do Estado, que inclui todos os municípios de Minas na onda roxa, fase mais restritiva adotada até agora pelo programa Minas Consciente, o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG) anuncia a suspensão temporária das atividades de busca da Operação Brumadinho.
A interrupção das buscas se dará pelo tempo em que perdurar a medida emergencial da fase roxa. A princípio, válida por 15 dias, sendo que, após o regresso a fases menos críticas, as questões de segurança serão reavaliadas para o retorno da tropa em campo.
A operação reúne indivíduos de diferentes regiões do estado, podendo por essa característica, ser um centro de contaminação e disseminação do agente coronavírus. Por tudo isso, faz-se necessário agir com prudência preservando a saúde não somente dos militares, mas de colaboradores, e assim evitar o agravamento da estrutura da saúde que já se encontra comprometida.
A desmobilização temporária dos militares empenhados em campo acontece ao longo do dia de amanhã (17). Durante este período, somente alguns militares permanecerão na Base Bravo para viabilizar que os funcionários da mineradora mantenham atividades essenciais de preparação da área e drenagem do terreno, visando a retomada em tempo oportuno para implementação da estratégia 8.
Durante o período de suspensão, a mineradora não poderá manejar locais pendentes de vistoria do bombeiro e a fiscalização permanecerá a cargo do CBMMG.
Nesses 2 anos de operação, foram encontradas/identificadas 259 vítimas em um universo de 270. Esses números representam 95,92% de êxito na Operação, restando 11 joias a serem encontradas pelo CBMMG.
Cabe ressaltar que o compromisso firmado pelo Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais para com as famílias das 11 joias que permanecem desaparecidas, se mantém inalterado.

Giovanna Fávero
Giovanna Fáverogiovanna.favero@bhaz.com.br

Repórter no BHAZ desde outubro de 2019. Jornalista graduada pela PUC Minas (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais) e com atuação focada nas editorias de Cidades, Guia e Cultura.

Comentários