Faxineira deixa bilhete sincerão para chefe ‘cruel’ antes de se aposentar

pessoa-escrevendo
Bilhete de faxineira mandando recado para chefe viralizou no Twitter (FOTO ILUSRATIVA: Divulgação/Sejusp)

Uma faxineira do banco HSBC deixou um recado bem sincero a seu chefe “agressivo e cruel”, um dia antes de aposentar-se. O filho da mulher, Joe Cousin, compartilhou em seu Twitter a carta da mãe, na última sexta-feira (30), desejando-lhe uma boa aposentadoria. Julie Cousin, que mora em Southampton, no Reino Unido, trabalhou na limpeza de agências bancárias durante 35 anos.

“Oi, senhoras, amanhã será minha última limpeza para o HSBC. Fiz um balde de materiais de limpeza para o próximo limpador, seja ele quem for!! Eu deixei o emprego depois da maneira como você me tratou no escritório, o que foi nada mais do que agressivo e cruel, mas esse é um reflexo do seu caráter, não do meu”, escreveu Julie, para seu até então chefe.

Julie Cousin continuou, desta vez direcionando o recado para todos os colegas do banco: “Então, daqui para a frente, por favor, todos vocês se lembrem: em um mundo onde você pode ser qualquer coisa, seja gentil. Porque vocês todos não são melhores do que o faxineiro. Cumprimentos, Julie”, despediu-se. Orgulhoso da mãe, Joe Cousin compartilhou o bilhete com seus seguidores, e a postagem viralizou, acumulando até o momento mais de 147 mil curtidas.

Filho se orgulha da atitude da mãe

“E é por isso que eu amo minha mãe. Ela tem limpado bancos por 35 anos e hoje saiu com este amável bilhete deixado para aquele gerente horrível. Feliz aposentadoria, mãe – dê sempre a risada por último, eh!”, escreveu o rapaz. Confira a nota feita por Julie:

Nos comentários, outras pessoas deixaram relatos de familiares que passaram por situações desrespeitosas no trabalho, e também criticaram a atitude do gerente de ter repreendido Julie em público. “Um gerente repreendendo alguém em público. Lembre-se que um palhaço sempre precisa de uma audiência”, comentou uma pessoa. Sonia Harris compartilhou: “Ela fez bem, meu pai foi zelador de uma escola por 30 anos, tantos funcionários rudes. Quando comecei a lecionar, jurei que sempre seria amigável com todos os funcionários que contribuíssem para a escola”.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários