Campeonato de Motohabilidade testa o equilíbrio e a regularidade de pilotos sobre máquinas acima de 700 cc

Campeonato de Motohabilidade
Campeonato de Motohabilidade acontece no Alphaville

A capacidade de controlar uma motocicleta, daquela bem pesada mesmo, em um circuito travado, delimitado por cones, sem colocar o pé no chão ou derrubar as marcações será colocada à prova na etapa mineira do Campeonato Brasileiro de Motohabilidade.

Penalidade na competição
Derrubar cone é penalidade, segundo o regulamento (Foto: Equipe Cones de Chão)

Caravanas da turma das duas rodas devem prestigiar o evento a partir deste sábado, 23, na área de um dos estacionamentos do mall principal do Condomínio Alphaville, em Nova Lima, na Grande BH. Cerca de 20 pilotos vão mostrar tudo que podem e sabem fazer sobre as máquinas. Há promessa de show de habilidade e equilíbrio sobre duas rodas.

A organização é da Equipe Cones de Chão, de BH, que prepara esta competição para abrir o calendário nacional da modalidade. Outras etapas estão previstas para serem disputadas no Espírito Santo, Paraná e Rio de Janeiro.

Febre nos EUA

Motohabilidade também é conhecida como treinamento em baixa velocidade. Como o próprio nome diz, esta modalidade do motociclismo tem como objetivo tornar o motociclista mais habilidoso e seguro durante a pilotagem na condução da motocicleta.

Febre nos Estados Unidos e tradição dentro das unidades militares, chegou em Minas Gerais há cerca de quatro anos. Os primeiros praticantes iniciaram, então, um processo de convites de colegas de passeios de motos a experimentar. O resultado são diversos adeptos que criaram a Cones de Chão.

Leia mais: Votz eletrifica o Brasil

“O início da pandemia bloqueou a realização de provas nacionais até que em 2021, em Curitiba, foi realizada uma prova cheio de restrições sanitárias. Quatro pilotos de BH foram disputar”, conta um dos diretores do clube, Eber Ferreira que, junto com Maurício Costa, Rafael de Paiva Pontes e Wellington Mol, “comandam” a equipe na capital mineira e são os responsáveis pela competição.

A adesão de outros motociclistas foi tamanha que no ano passado alugaram um terreno próximo à BR 356, na chegada de quem vem do Rio de Janeiro, onde acontecem os treinos.

Pista Motohabilidade
Pista de treino da Equipe Cones de Chão (Foto: Equipe Cones de Chão)

Acima de 700 cc

A expectativa é a presença de cerca de 200 pessoas para assistir às manobras de 20 a 25 pilotos não só de BH como também de outros Estados.

Para participar da etapa mineira do Campeonato Brasileiro de Motohabilidade, o competidor deve montar, necessariamente, com uma motocicleta acima de 700 cc de cilindrada, de acordo com a descrição de cada categoria.

Estão sendo projetados, no estacionamento do Alphaville três circuitos, delimitados por cones, totalizando 3 mil m2 de área. A pista tem cerca de 1,5 metros de largura.

O campeonato segue as regras da Associação Brasileira de Motohabilidade (ABMH), que são as mesmas do padrão norte-americano, onde o piloto precisa dominar a técnica de uma moto de alta cilindrada em padrões de deslocamento feitos por cones. O melhor é aquele que efetua o percurso no menor tempo e maior regularidade.

Pista Motohabilidade
Circuito da competição é delimitado por cones (Foto: Luís Otávio Pires)

Voltas de reconhecimento

Pelo regulamento, os competidores podem dar voltas de reconhecimento e treinar na pista oficial antes do certame, no caso das provas de Precisão e Regularidade, desde que obedeçam ao horário previsto na programação.

Leia mais: Rota Capitão Senra (Bate-Papo Acelera Aí)

Segundo os organizadores, a intenção é fazer com que todos desenvolvam suas habilidades com a motocicleta de forma a premiar sempre o melhor piloto e não somente o mais rápido. “O importante é manobrar na pista no menor tempo possível, sem derrubar cones e colocar o pé no chão”, acrescenta o também diretor da Cones de Chão, Rafael de Paiva Pontes.

Três categorias, cinco provas

São três categorias. A Beginner é aberta a qualquer moto acima de 700 cc; a Advanced para modelos acima de 700 cc com alforges laterais e competidor que tenha recebido medalha em competição anterior; e a Expert, para qualquer moto cruiser (touring, métrica, etc) e competidor medalhista em pelo menos duas competições anteriores.

O regulamento prevê cinco tipos de provas. Veja quais:

  • Challenger: é montado um desafio surpresa, onde há obstáculos adicionais. Podem existir obstáculos diversos, tais como fazer parte do percurso sem usar freios, passar por área apertada, desviar de obstáculos com o corpo e/ou carregar objetos durante a prova. Se o competidor conseguir concluir o desafio e cumprir todos os requisitos sem faltas, ganha um bônus de cinco segundos no tempo final da prova (exceto à prova de regularidade). Além disso, durante o desafio o competidor pode receber outros bônus, divulgados no dia da prova, caso existam; o vencedor é aquele que completar todo o percurso no menor tempo total, ou seja, descontadas as penalidades; cada competidor tem somente uma tentativa para completar a prova. Não há distinção de categorias;
  • Slow ride: o competidor deve atravessar uma área de início e fim no maior tempo possível. A contagem de tempo é iniciada quando o pneu dianteiro tocar a marcação de início e finalizado quando o competidor tocar o pneu traseiro na marcação fim, esbarrar qualquer cone ou colocar o pé no chão. A prova pode ser executada em paralelo a outras. Cada competidor possui três tentativas para completar o percurso e é considerado o melhor tempo como seu resultado final. Também não há distinção de categorias;
  • Last standing (último em pé): neste caso, as baterias são feitas por sorteio. É desclassificado o competidor que causar colisão com o adversário ou utilizar seu corpo para tocar o mesmo ou sua motocicleta, colocar o pé no chão, esbarrar em qualquer cone ou sair do perímetro da competição. O piloto eliminado não pode retirar sua motocicleta da pista até o término da bateria, no caso de haver mais de duas pessoas em disputa simultaneamente. Também não há distinção de categorias;
  • Precisão: consiste de uma pista de medidas estreitas, sem medição de tempo. O competidor deve conseguir completar a prova sem penalidades, recebendo um bônus de cinco segundos para a prova de regularidade. Cada um tem três tentativas para completar o percurso de precisão e os padrões da prova são compatíveis com a experiência e habilidade de cada categoria;
  • Regularidade: acontece em pista com vários padrões, onde o competidor deve completar o percurso no menor tempo possível, descontados os bônus e penalidades. Se o competidor concluir a prova sem quaisquer penalidades, recebe um bônus de cinco segundos (Volta Clean). Mas caso consiga os dois bônus possíveis (Precisão e Volta Clean) ele recebe um terceiro bônus de cinco segundos, podendo somar um total de até quinze segundos de vantagem.

Olho nas penalidades

Além de todo este equilíbrio e domínio sobre as motos pesadas, o piloto tem que ficar atento às penalidades durante a competição. Entre elas estão tocar no cone que delimita a pista. Se isso acontecer, é acrescido ao tempo do competidor um segundo a cada cone tocado com a motocicleta ou parte do corpo.

Leia mais: De moto, com segurança

Se apenas tocar no cone é falta, imagina, então derrubá-lo. Com este erro, acrescenta-se ao tempo do competidor três segundos a cada cone derrubado com a motocicleta ou parte do corpo.

Na prova de Motohabilidade também não se pode colocar o pé chão, enquanto contorna os obstáculos. Com o erro é somado ao tempo do competidor seis segundos a cada toque de seu pé no chão, desde que em um intervalo inferior a cinco segundos entre eles.

Além disso, caso o competidor tombe a moto, é contabilizada uma penalidade de pé no chão. O cronômetro continua a contagem normalmente. Também é considerada penalidade a desistência antes ou durante a prova.

Por fim, o erro do percurso também é considerada falta. Se ocorrer, o piloto precisa retornar pelo mesmo local de onde evadiu para considerar retorno limpo. O cronômetro continua em operação e as penalidades são contabilizadas, se aplicáveis. Caso o participante não retorne e corrija o percurso, está fora.

Texto: Luís Otávio Pires

Programação

22 de Abril

  • 13h: abertura da pista para treino livre

23 de Abril

  • 8h30: abertura do evento com entrega dos kits de inscrição
  • 9h: abertura da pista para treino de atletas inscritos
  • 11h: provas de Precisão
  • 14h: provas de Regularidade Categoria Beginner
  • 15h: provas de Regularidade Categoria Advanced
  • 16h: provas de Regularidade Categoria Expert

24 de Abril

  • 8h: abertura da pista para treino de atletas inscritos
  • 9h: provas Challenger
  • 11h: provas de Slow Ride e Last Standing
  • 13h: encerramento e entrega de premiação

Acesse: www.aceleraai.com.br

Acelera Airedacao@aceleraai.com.br

Jornalistas Eduardo Aquino e Luís Otávio Pires são os editores do site Acelera Aí e da seção veículos do portal Bhaz

Comentários