Quem perde mais se associando a Bolsonaro e a Lula: Zema ou Kalil?

kalil e zema
Zema, Kalil, Bolsonaro e Lula vão brigar em Minas (Moisés Teodoro/BHAZ + Pedro Gontijo / Imprensa MG)
coluna orion

Após as idas e vindas, Alexandre Kalil (PSD) conseguiu fechar a aliança com o ex-presidente Lula (PT), que, no momento, lidera as pesquisas em Minas e no país. Ao contrário dele, o principal rival, governador Romeu Zema (Novo), que busca a reeleição, quer ficar neutro na disputa presidencial. Por quê!? Para evitar a rejeição, de acordo com as mesmas pesquisas, do presidente Bolsonaro (PL), de quem foi, desde a eleição passada, em 2018, um aliado.

Na guerra eleitoral, Kalil e Zema vão explorar as fragilidades de um e de outro, principalmente no campo nacional. Kalil vai tentar colar Zema em Bolsonaro pelo lado mais negativo possível. Zema fará o mesmo contra Kalil, associando-o aos pontos negativos do PT e de Lula, aproveitando-se da campanha de desconstrução do petista que fazem e farão os bolsonaristas.

Aliado ou traidor?

Por mais que o governador negue a relação com Bolsonaro, essa associação é conhecida de todos. Por isso, Zema vai apanhar, de um lado, pela oposição a Bolsonaro e, de outro, dos aliados do atual presidente, que o tratarão como traidor. Para compensar, vai tentar desgastar Kalil pela aliança com o petista, ainda que Kalil não tenha sido, nem seja, um defensor de Lula ou de seu partido.

Percebendo a saia justa, o governador tem mantido distância de Bolsonaro. Em recente evento em Uberaba (Triângulo Mineiro), Bolsonaro acenou para Zema, dizendo que ele seria exemplo de governador para o país. O governador foi aplaudido pelos seguidores de ambos que eram maioria na plateia da Expozebu, no dia 30 de abril, mas não fez o mesmo para Bolsonaro. Apenas pediu salva de palmas para o presidente da República. Bastante protocolar.

Apoio do voto do Centro

Por conta disso, Bolsonaro chegou a lançar, no início do mês passado, como pré-candidato a governador de Minas, um nome mais aliado, que é o senador Carlos Viana, do mesmo partido. De acordo com o pré-candidato presidencial do partido de Zema, Felipe D’ávila, o governador deverá ficar em cima do muro na eleição porque ele já estaria vencendo aqui em Minas. No mesmo cenário das pesquisas, o preferido à presidência é o petista Lula. Apoiar a pré-candidatura de Dávila, que tem só 1%, segundo ele próprio, seria a senha de Zema para fugir da polarização.

Nesse embate, Kalil e Lula versus Zema e Bolsonaro, a guerra pode ficar empatada. Além da influência da eleição nacional, os candidatos a governador vão precisar mostrar a si mesmo, o que poderão fazer em Minas para resgatar sua capacidade de investimento. Vai fazer a diferença quem conseguir convencer o eleitor do centro, que não está nem Bolsonaro ou com Lula.

OAB/MG vai fiscalizar eleições em Minas

O novo presidente da OAB Minas, advogado Sérgio Leonardo, adiantou que, em nome do estado do direito, vai fiscalizar as eleições estaduais e presidenciais em Minas. “Essa polarização tem descambado para práticas de desinformação, fake News. A OAB vai fiscalizar as eleições, vai acompanhar para poder lutar pela lisura do processo, pelo respeito ao resultado das urnas”.

Disse ainda que a OAB vai reassumir o protagonismo histórico da entidade. “A OAB, especialmente em Minas Gerais, se omitiu ao longo dos últimos anos, deixando de participar e de tomar posições  importantes em defesa da sociedade. Esse tempo acabou. A Ordem agora participa das grandes discussões e retomar esse protagonismo, como entidade mais importante da sociedade civil organizada. Nós não podemos mais ser espectadores da vida política e social do país. Nós temos que agir e fazer a defesa do estado de direito e dos direitos humanos”, disse ele, Sérgio Leonardo durante entrevista ao programa Entrevista Coletiva, da TV Band Minas.

Sérgio Leonardo com os jornalistas Lucas Catta Preta, Murilo Rocha e Orion Teixeira, na TV Band/ foto Luiz Santos/Band Minas

Mudança de comando na Defensoria Pública

Tomou posse, na manhã desta segunda (23), a nova defensora pública-geral de Minas, Raquel da Costa Dias. Vai substituir Gério Soares, fazendo gestão de continuidade e será a quarta mulher a comandar a instituição. A Defensoria Pública é uma instituição, como se sabe, que defende o cidadão e promove direitos e justiça, especialmente junto às pessoas mais carentes.

(Raquel Costa Dias/DPMG)

Além das demandas jurídicas dos mais vulneráveis, disse que seu maior desafio será levar a Defensoria e, pelo menos um defensor ou defensora, a cada uma das quase 300 comarcas de Minas. “Esse será o nosso maior desafio”, reconheceu ela.

Orion Teixeiraorionteixeira.orionteixeira@gmail.com

Jornalista político, Orion Teixeira recorre à sua experiência, que inclui seis eleições presidenciais, seis estaduais e seis eleições municipais, e à cobertura do dia a dia para contar o que pensam e fazem os políticos, como agem, por que e pra quem.

É também autor do blog que leva seu nome (www.blogdoorion.com.br), comentarista político da TV Band Minas e da rádio Band News BH e apresentador do programa Pensamento Jurídico das TVs Justiça e Comunitária.

Comentários