Campeões de votos em extremos opostos: Conheça os fenômenos Áurea Carolina e Marcelo Álvaro Antônio

Bernardo Dias/CMBH + Gabriela Korossy/Câmara dos Deputados

De um lado, o apoio declarado a Fernando Haddad (PT) e a militância pela agenda progressista. De outro, um correligionário fiel de Jair Bolsonaro (PSL) que levanta a bandeira das pautas mais conservadoras. Juntos, mais de 240 mil votos na Grande BH. Esses são Áurea Carolina (PSOL) e Marcelo Álvaro Antônio (PSL), deputados federais eleitos que carregam o título de mais bem votados da região metropolitana da capital.

Áurea Carolina completa 35 anos em novembro, é cientista social com trajetória ligada à luta pelos Direitos Humanos. Foi subsecretária de Políticas para as Mulheres de Minas, atualmente é vereadora de Belo Horizonte e foi a deputada federal mais bem votada da Grande BH, com 120.261 votos. No geral do Estado, ficou em 5º lugar, com 162.740 votos.

Já Marcelo Álvaro Antônio tem 44 anos, é casado, pai de três filhos, natural do Barreiro, onde iniciou sua carreira política com a criação de associações por melhorias na região. Foi vereador e é deputado federal desde 2014. Para a reeleição, teve 120.224 votos na região metropolitana de BH e 230.008 no total de Minas, alcançando a marca de deputado mais votado do Estado em 2018.

Juntos, Áurea e Marcelo tiveram mais de 7% dos votos válidos na Grande BH e uma vantagem de mais de 30 mil votos à frente do terceiro colocado. Prometem atuações que desafiarão o status quo na Câmara dos Deputados e, em conversa com o Bhaz, os parlamentares falaram sobre a construção da campanha, os resultados do primeiro turno e as expectativas para o mandato que se inicia em 2019.

À esquerda, Áurea e o candidato à Presidência derrotado Guilherme Boulos (PSOL) – agora, ambos apoiam Fernando Haddad (PT); à direita, Marcelo Álvaro Antônio e o pleiteante ao Planalto Jair Bolsonaro, do PSL (Reprodução/Redes sociais)

As campanhas

Ambas as campanhas foram construídas em cima de pilares a serem defendidos na Câmara dos Deputados. Pilares esses que, naturalmente, se transformarão em propostas durante o mandato na Casa.

De um lado, Áurea Carolina afirma que os pilares de sua campanha perpassaram principalmente pela economia, segurança pública e representatividade. “Primeiro, na economia, a necessidade de uma reforma do sistema tributário, pela justiça fiscal na arrecadação e pelos investimentos públicos. Na segurança, pelo contraponto à lógica militarista e na construção de uma segurança cidadã. No último eixo, não somente a representatividade de quem não é representado, mas também na forma de exercer o poder, em que as pessoas residam sobre as instituições”, explica a atual vereadora da capital.

Já Marcelo Álvaro Antônio é categórico em apontar os pilares da sua campanha e, consequentemente, de seu futuro mandato: combate à corrupção, governabilidade e transformação do país. “Falei muito sobre o combate à corrupção, consequentemente por uma nova política. Em segundo, a questão da governabilidade de Jair Bolsonaro, uma contribuição para uma boa relação com o Congresso. Por fim, deixar claro que estaríamos trabalhando ao lado do povo para a transformação que o país precisa”, salienta.

O sucesso

O deputado reeleito pelo PSL é fiel companheiro de Bolsonaro, chegou a ser cotado para vice do ex-capitão da reserva na chapa presidencial e é coordenador da campanha dele em Minas. E Marcelo Álvaro Antônio reconhece que parte de seu eleitorado foi atraído por esse motivo. “Com certeza a campanha dele [Bolsonaro] nos impulsionou também, claro. Mas não foi só isso. Tivemos um bom mandato de 2014 até aqui, com responsabilidade e atendendo o anseio de quem acreditou em mim. Isso também teve importância no nosso bom resultado. Além, claro, da nossa divulgação por meio das redes sociais e pela nossa jornada caminhando pelo Estado”, afirma.

As duas campanhas de Áurea – tanto em 2016, quando foi a vereadora mais votada de BH, quanto a deste ano – foram feitas de forma coletiva, ao lado das “Muitas”. Em ambas as ocasiões, 12 candidaturas diversas se reuniram com a lógica “votou em uma, votou em todas”. “Acho que nosso bom resultado veio muito com a coletividade. As candidatas que fizeram parte da campanha estarão no nosso mandato. Demonstra que as nossas pautas e que o nosso trabalho na Gabinetona, na Câmara, tem um reconhecimento, uma força popular importante. As pessoas estão mais atentas para trazer à tona lutas invisibilizadas pelo sistema político”, diz.

Marcelo durante atuação na Câmara (Lúcio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados)

As expectativas

Levar a ideia e a prática de um mandato coletivo e popular para a Assembleia Legislativa e para a Câmara dos Deputados é a principal expectativa de Áurea para o mandato que se inicia em janeiro próximo. “Nossa intenção é conectar o mandato municipal com a nossa entrada na Assembleia Legislativa [por meio da deputada eleita Andreia de Jesus, também das Muitas] e na Câmara dos Deputados. Estamos organizando o processo de transição para um mandato de três níveis de atuação”, conta.

A eleição de Bolsonaro para o Palácio do Planalto no próximo domingo é a principal expectativa para o ano que vem para Marcelo Álvaro Antônio. “Estou com a melhor expectativa possível. A gente sai de governos desastrosos, que foram de Dilma e Temer, para entrar em um novo tempo. Um presidente com respaldo popular, para fazer reformas e aprovar projetos que serão importantes para o Brasil”, comenta.

As prioridades

Logo nos primeiros dias de mandato, Marcelo garante que priorizará três agendas: a econômica, a do combate à corrupção e a segurança pública. “Precisamos, urgentemente, regatar a economia. Gerar empregos, atrair investimentos de capital estrangeiro. É fundamental também o combate à corrupção e os trabalhos pela melhoria na segurança pública, que está um desastre”, revela.

Por outro lado, Áurea acredita que, para o momento, é importante priorizar agendas de conscientização. “Nossa principal prioridade é enfrentar o fascismo e essa onda conservadora. A Câmara chega com uma composição de um filme de terror, sem compromisso com nenhuma agenda popular e muitas de inclinação violenta e anti democrática. Precisamos juntar o campo democrático, independente do partido, e lutar contra os retrocessos”, ressalta.

Mudanças, desafios e continuidades

Eleita em 2016, Áurea interrompe seu mandato como vereadora em dezembro próximo para tomar posse na Câmara dos Deputados. Para ela, entretanto, não se trata de uma interrupção, mas uma continuidade. “Não é um abandono. A Bella Gonçalves [suplente que entrará no lugar] já faz parte do mandato. É uma continuidade, nossa equipe é integrada, a gente vai ampliar o trabalho para chegar a mais pessoas e preservando o trabalho já feito”, argumenta.

Já Marcelo foi reeleito neste ano e acredita que seu novo mandato não terá grandes diferenças, mas sim manutenção de sua postura. “Muita coisa eu já venho atuando. O que espera-se de nós é correção, responsabilidade e transparência. Dar uma contribuição significativa para o nosso país, com relações mais republicanas”, expõe.

Áurea ao lado de sua amiga e companheira de partido Marielle Franco, vereadora carioca brutalmente assassinada em março deste ano (Reprodução/Instagram)

No total, a bancada de Minas Gerais na Câmara conta com 53 deputados federais. Áurea foi a única eleita pelo seu partido no Estado; já o PSL contará com outros cinco parlamentares mineiros na Câmara além de Marcelo.

Levando em consideração a composição geral da Câmara, o partido de Marcelo terá a segunda maior bancada, com 52 parlamentares eleitos Brasil afora – perdendo somente para o PT, que terá 56. Já o PSOL de Áurea contará com 10 deputados na casa, quatro a mais que na composição atual.

Rodrigo Salgado

Repórter do Portal Bhaz.