Pesquisar
Close this search box.

Djonga prova que é Inocente e mira futuro em novo disco

Por

Com apoio do passado, rapper mira o futuro e revela a dualidade de relações (Divulgação)

O novo compilado de inéditas de Djonga nada tem de amador, como sugere o conceito de demotape —palavra presente no título do álbum. Na verdade, com o perdão do trocadilho, além dos amores e dores impressos nas letras, o trabalho aponta para um amadurecimento musical do rapper, que aposta, agora, em diferentes sonoridades.

Expoente mineiro na cena do rap nacional, Djonga ganhou as telas, os palcos e os fones do país com seus estudos etnográficos sobre a cultura brasileira. Nenhum deles diretamente relacionado à faculdade de História, que chegou a cursar até o sétimo período, na Universidade Federal de Ouro Preto, ainda como Gustavo.

LEIA TAMBÉM
Movimento Cultural Periférico: A arte gera emprego e renda em BH”

Na verdade, esses estudos se materializam em seis discos: Heresia (2017), O Menino Que Queria Ser Deus (2018), Ladrão (2019), Histórias da Minha Área (2020), NU (2021) e O Dono do Lugar (2022). Nos últimos seis anos, o artista se debruçou sobre a produção de crônicas lancinantes, pautadas pela realidade racista brasileira.

(Divulgação/Naio Rezende)

Agora, em Inocente Demotape (2023), Djonga mergulha na dualidade de (suas?) relações. Ao longo de oito faixas, o rapper mostra que um coração de gelo derrete, inevitavelmente, em algum momento.

Inocente

“Pra quem procura ver o que há de bom, bem-vindo. Pra quem vai me acusar de qualquer coisa, eu juro que eu sou: Inocente”. Assim, Djonga puxou a divulgação do seu sétimo álbum, no Instagram. Também, antecipou a postura mais branda após anos de caminhada artística.

Em tempos passados e versos mais crus, a relação com a crítica soava mais ríspida. “E quem falou que o disco antigo é fraco, vai tomar no c*”, bradava, na faixa Junho de 94, de 2018.

No novo reportório, no entanto, o rapper apresenta duas versões de si mesmo: o sorridente, que se derrete, e o libertino, do coração de gelo. A dualidade se manifesta nas letras, mas, antes de tudo, na embalagem da obra, que referencia o disco Perfect Angel (1974), da cantora estadunidense Minnie Riperton.

49 anos após o lançamento de Perfect Angel, Djonga faz referência ao disco (Divulgação)

Quanto à sonoridade, novas apostas. Bons ganhos, para o artista e para o público. Dessa vez, distante dos beats do companheiro de longa data Coyote, pitadas de trap, hall, dance e Jersey Club no plano de fundo das canções. “Fazer música diferente do que esperam de mim foi o que me moveu a fazer esse trampo. Eu acho que eu consegui”, registrou, em publicação.

Com Inocente Demotape, Djonga propõe a vida ao ouvinte. Ambígua, difusa. Sua viagem ao passado não vai além dos beats e da capa do disco. Pelo contrário, ao se abrir a novas sonoridades, parcerias emergentes e postura amena, o rapper mira o futuro com a precisão do início.

Thiago Cândido

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais. Colunista no programa Agenda da Rede Minas de Televisão. Estagiário do BHAZ desde setembro de 2023.

Mais lidas do dia

Leia mais

Acompanhe com o BHAZ