Adolescente é agredida e estuprada pelo próprio primo e criminoso pede desculpas por telefone

hospital odilon behrens
Vítima deu entrada no Hospital Odilon Behrens (Amanda Dias/BHAZ)

Uma adolescente de 13 anos foi agredida e estuprada pelo primo, de 30, em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, nessa segunda-feira (6). O familiar levou a garota até um lote vago e cometeu o crime. Depois ele mandou mensagem para a mãe da vítima pedindo desculpas. Até o momento ele não foi preso.

A menina contou para a Polícia Militar que esteve em um bar com o pai e dois primos. Após voltarem para a casa, um dos familiares puxou a adolescente pelo braço e a levou até um lote. Por lá, conforme registrado na ocorrência, ele deu chutes e passou a mão pelo corpo da vítima.

O suspeito ainda passou o órgão genital na prima. A menina relatou que não houve conjunção carnal. Enquanto a vítima era violentada, o pai dela ligou perguntando se estava tudo bem e o homem atendeu dizendo que estava “tudo tranquilo”.

Revelação

A vítima retornou assustada para casa e não comentou o ocorrido com os pais. Ela contou o estupro e a agressão para uma tia. O suspeito entrou em contato com a mãe da adolescente pedindo desculpas e falando para elas não contarem para ninguém o que havia acontecido.

Buscas foram feitas na tentativa de localizá-lo, mas ele não foi capturado. A polícia conseguiu falar com o suspeito pelo telefone. O homem não revelou o lugar em que estava e disse apenas que iria se entregar na delegacia com um advogado.

A Polícia Civil foi procurada pelo BHAZ e informou que o homem ainda não se apresentou. “As apurações estão em andamento e outras informações serão repassadas em momento oportuno”, esclareceu destacando que o crime está “sob investigação”.

A adolescente foi levado ao Hospital Odilon Behrens onde recebeu os atendimentos médicos.

Crime sexual

O crime de estupro é previsto no art. 213, e consiste em “constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso”. Mesmo que não exista a conjunção carnal, o criminoso pode ser condenado a uma pena de reclusão de seis a 10 anos.

O art. 217A prevê o crime de estupro de vulnerável, configurado quando a vítima tem menos de 14 anos ou, “por enfermidade ou deficiência mental, não tem o necessário discernimento para a prática do ato, ou que, por qualquer outra causa, não pode oferecer resistência”. A pena varia de 8 a 15 anos.

Nota da Polícia Civil

“A Polícia Civil informa que o crime está sob investigação. Até o momento, o suspeito, um homem de 30 anos, não foi apresentado à polícia. As apurações estão em andamento e outras informações serão repassadas em momento oportuno. Detalhes sobre a ocorrência devem ser solicitados à Polícia Militar, responsável pelo registro, por meio do Centro de Jornalismo Policial”.

Edição: Vitor Fernandes
Vitor Fórneasvitor.forneas@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ de maio de 2017 a dezembro de 2021. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política. Teve reportagens agraciadas nos prêmios CDL (2018, 2019 e 2020), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).

Comentários