Frota mínima não é cumprida na greve de ônibus em BH e causa transtorno a passageiros

estação move bh
Muitos usuários de transporte coletivo ficaram impossibilitados de trabalhar hoje (FOTO ILUSTRATIVA: Amanda Dias/BHAZ)

Com o anúncio da greve de motoristas de ônibus de Belo Horizonte a partir desta segunda-feira (22), o TRT-3 (Tribunal Regional do Trabalho) decidiu que a paralisação deveria cumprir uma cota mínima de 60%, sob multa diária de R$ 50 mil. Segundo a BHTrans, o percentual não foi cumprido. Até às 7h de hoje (22), nenhum ônibus tinha saído da Estação Diamante, na região do Barreiro. Uma das pautas da greve é o reajuste salarial para os motoristas.

A informação foi dada pela BHTrans, na manhã desta segunda-feira. Além da situação de operação na Estação Diamante, a empresa também informou que apenas 1% da frota tinha passado pela Estação Barreiro, até às 6h. Esse número foi de 7% na estação São José; 20% na Pampulha; 22% na São Gabriel e 26% em Venda Nova.

Já na estação Vilarinho, foi cumprido metade do determinado pela Justiça. As demais linhas, que rodam pela capital mineira sem ser nas estações, tiveram apenas 16% do esperado para dias normais, ainda de acordo com a BHTrans.

Atualização

Em atualização na faixa das 7h, tanto a estação Diamante quanto a do Barreiro ficaram sem nenhum ônibus. O número diminuiu em Venda Nova, que registrou uma frota de 25% em relação ao esperado para dias normais. Já na estação São José (21%), Pampulha (21%) , São Gabriel (25%) e Vilarinho (41%), houve um aumento no número de ônibus. O percentual ainda não alcança a cota mínima determinada pela Justiça.

As demais linhas tiveram apenas 20% do esperado para dias normais, ainda de acordo com a BHTrans.

Sobre a greve

Motoristas de ônibus de BH anunciaram na última quinta-feira (18) que entrariam de greve a partir desta segunda-feira (22). O presidente do STTR-BH (Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Belo Horizonte), Paulo César Silva, falou ao BHAZ sobre as reivindicações da categoria, como um reajuste salarial aos profissionais.

No dia seguinte, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, disse em entrevista coletiva que as empresas e os trabalhadores de transporte público da capital mineira iriam se reunir nesta segunda-feira (22) para negociar a suspensão da greve de motoristas.

O BHAZ entrou em contato com a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte), na manhã de hoje (22), e a prefeitura informou que está acompanhando a situação. Segundo a administração municipal, a questão que está sendo negociada entre os sindicatos patronal e dos empregados, com mediação da Justiça do Trabalho.

Greve atrapalha trabalhadores

Nas redes sociais, usuários do transporte coletivo relataram sobre o transtorno na rotina de trabalho com a greve em BH. “Greve de ônibus em plena segunda-feira”, reclamou uma internauta. “Ponto de ônibus aqui perto da minha casa tá lotado!”, relatou outra. “Acordei animado e me deparo com uma greve, vou trabalhar?! Óbvio que não, tô há 1 hora no ponto e 0 ônibus. Aff, segundou”, disse mais um.

Nota da PBH na íntegra

“Essa é uma questão que está sendo negociada entre os sindicatos patronal e dos empregados e mediada pela Justiça do Trabalho”.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários