Com fiscalização reforçada, movimentação de torcedores é mais tranquila no Mineirão nesta sexta

jogo cruzeiro
Apenas torcedores pagantes passaram pelas ruas próximas ao estádio (Jordânia Andrade/BHAZ)

Após as cenas registradas no último jogo do Atlético, na quarta-feira (18), não houve registro de grandes aglomerações nas proximidades do Mineirão na noite de hoje (20). Os torcedores do Cruzeiro que foram acompanhar o time na disputa contra o Confiança-SE, pelo Brasileirão da Série B, não puderam se aproximar do estádio da forma como os atleticanos fizeram na noite de quarta, já que os arredores do Gigante da Pampulha foram fechados.

Nas principais entradas que dão acesso ao estádio foram colocadas grades, e a Guarda Municipal e Polícia Militar se mantiveram no local para evitar possíveis aglomerações. Nos bares e restaurantes que ficam nas principais avenidas que cercam a Lagoa da Pampulha, também não houve registro de superlotações, apesar de a maior parte dos torcedores não fazer o uso de máscara.

A Polícia Militar manteve patrulhamento ao longo das ruas onde há maior circulação de torcedores, como a Avenida Otacílio Negrão de Lima e Alfredo Camarate. Com fiscalização redobrada para evitar que as cenas de quarta se repetissem, os agentes também ficaram a postos em todas as entradas para contestar se os torcedores que foram assistir o jogo apresentavam o exame de Covid-19 negativo e o uso correto da máscara.

Fiscalização ajudou a conter grandes aglomerações em volta do estádio (Jordânia Andrade/BHAZ)

Horário limite para entrada no estádio

Depois das cenas de aglomeração e desrespeito aos protocolos flagradas na partida do Atlético contra o River Plate, na quarta-feira (18), a PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) decidiu definir um horário limite de entrada dos torcedores no Mineirão. A decisão foi tomada em reunião com representantes dos clubes e do estádio na manhã de hoje.

De acordo com a PBH, o objetivo foi “reforçar e alinhar as determinações previstas no protocolo que autoriza o público nos estádios”. Dessa forma, os cruzeirenses tiveram até 21h para entrar no Mineirão, para a partida que começa às 21h30. Nas ruas também foram colocadas grades, para evitar a concentração de torcedores no entorno do estádio.

As ruas de acesso ao estádio foram interditadas pela BHTrans, com o apoio da Guarda Municipal, e somente o acesso de moradores das vias e de pessoas com o ingresso será permitido pelos agentes. Os guardas municipais também aturam no “combate à ação de flanelinhas e na manutenção da ordem pública”.

Na próxima segunda-feira (23), a PBH fará uma nova reunião para avaliar os dois jogos com público no Mineirão. Já na quarta-feira (25), a avaliação será apresentada ao Comitê de Enfrentamento à Covid-19 para definir se haverá alguma alteração na liberação de públicos nos estádios (leia mais aqui).

Jogo do Galo serviu de alerta

A fiscalização para o jogo do Cruzeiro foi reforçada após a partida entre Atlético e River Plate pela Libertadores trazer cenas de aglomeração no entorno do Mineirão chocarem os belo-horizontinos e incomodarem até a administração municipal. Além de marcar a primeira vez que o Mineirão recebeu torcedores desde o início da crise de saúde, a noite desta quarta-feira (28) começou agitada no entorno do estádio, com as ruas da região da Pampulha lotadas de torcedores.

Apesar da pandemia da Covid-19 seguir fazendo milhares de vítimas pelo país todos os dias, torcedores atleticanos protagonizaram cenas de desrespeito à saúde pública, lotando bares e ruas que dão acesso ao estádio Mineirão. A partida foi a primeira desde a autorização da PBH para a volta do público nos estádios.

Na noite, as equipes de fiscalização da Prefeitura, junto com a Polícia Militar, aplicou apenas três multas por descumprimento de medidas sanitárias. Também foi feita mais de 150 vistorias em bares e veículos de lanche, como forma de evitar irregularidades.

Apesar de ser atleticano e ex-presidente do clube, o prefeito Alexandre Kalil também criticou o comportamento dos torcedores, e disse que o “evento-teste” não foi aprovado. “Do jeito que está não vai ter, não. Quando eu vi aquela cena no Mineirão, eu me desesperei, ontem mesmo entrei em contato com o secretário de Saúde [Jackson Machado]”, disse em entrevista à TV Globo.

Kalil reforçou que o desrespeito aos protocolos sanitários não pode acontecer. O jogo de ontem foi o primeiro com torcida após 17 meses. “Se foi evento-teste como disseram, não passou no teste, não vai acontecer de novo se for nesse molde. O que me entristeceu diante da minha alegria toda de ontem foram aquelas cenas horrorosas, irresponsáveis. Não estou jogando no colo de ninguém, porque o prefeito é burro e que aceitou que eles iam cumprir o compromisso que tinham com a prefeitura”, disse o gestor.

Edição: Giovanna Fávero
Jordânia Andradejordania.andrade@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde outubro de 2020. Jornalista formada no UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) com passagens pelos veículos Sou BH, Alvorada FM e rádio Itatiaia. Atua em projetos com foco em política, diversidade e jornalismo comunitário.

Comentários