Greve: Prefeitura vai acionar Justiça para que empresas e trabalhadores de ônibus cumpram mínimo de viagens

ônibus
Expectativa é que determinação da Justiça seja cumprida até o final da tarde (FOTO ILUSTRATIVA: Karoline Barreto/CMBH)

A PBH (Prefeitura de Belo Horizonte) vai notificar o TRT (Tribunal Regional do Trabalho) para que as empresas e trabalhadores de ônibus cumpram o mínimo de viagens determinado pela Justiça. A informação foi dada pelo presidente da BHTrans, Diogo Prosdocimi, em coletiva de imprensa nesta manhã (22). Segundo o presidente, a equipe jurídica da prefeitura se reunirá no início desta tarde para realizar a notificação.

Um levantamento da BHTrans das 10h30 de hoje (22) mostra que nenhuma das estações cumpriram o mínimo de 60% de viagens, determinado pelo TRT-3. “Vamos reunir a equipe jurídica da prefeitura para já notificar o tribunal e as empresas e os trabalhadores para que eles cumpram essa decisão judicial, esse mínimo de greve, já que é um serviço essencial”, afirmou.

O monitoramento ainda aponta que nenhum ônibus saiu da Estação Diamante, na região do Barreiro, nesta segunda-feira. A situação é similar na Estação Barreiro. Já nas estações Pampulha (45%), São Gabriel (45%), São José (11%), Venda Nova (37%), Vilarinho (55%) e demais linhas (35%), a situação é menos crítica, mas ainda não chega no mínimo de 60% do esperado para dias normais.

A expectativa é que a decisão judicial seja cumprida até o próximo horário de pico. “É uma petição ao tribunal para que ele, durante o dia, comunique também os trabalhadores das empresas para que esse mínimo seja cumprido e até o final do dia, já para o horário de pico da tarde, já tenha uma posição diferente no número de viagens”, completou.

BHTrans e PBH ‘torcem’ pela resolução

Diogo Prosdocimi ainda reforçou que a greve é uma questão negocial entre as empresas e os trabalhadores. A PBH nem a BHTrans participarão das negociações, marcadas para esta tarde. “Por se tratar questão que nós entendemos ser de negociação entre empresas e os trabalhadores, a BHTrans e prefeitura não vão participar da negociação, até pra dar liberdade para as empresas chegarem a um acordo”, argumentou.

“O que a BHTrans vem fazendo é monitorando a decisão judicial de um mínimo de greve. Desde às 6h os agentes da BHTrans vêm circulando nas estações de transferência para fazer relatórios e encaminhar para Justiça para que o mínimo seja cumprido com a maior responsabilidade possível”, complementou.

Na semana passada, a prefeitura atuou para antecipar as reuniões de negociação. “A prefeitura antevendo e tentando mitigar qualquer problemas no transporte coletivo, atuou na semana passada, principalmente para antecipar as reuniões de negociação que haviam sido marcadas incialmente para quinta desta semana. Com a atuação aqui da prefeitura conseguimos antecipar para hoje à tarde”, esclareceu.

O presidente ainda disse que está torcendo “para que os dois lados encontrem um consenso o mais rápido”. “Nós estamos atuando pra tentar mitigar isso, ter o menor impacto na população” disse.

Prefeitura foi acionada na Justiça

Uma das reivindicações dos trabalhadores é o reajuste salarial. “As empresas entraram com uma ação judicial contra a prefeitura de BH pedindo reajuste, então isso virou questão que vai ser dialogada nos autos na justiça e vai acabar virando uma determinação judicial”, disse o presidente.

Diante da judicialização do pedido, o presidente negou a possibilidade de haver um aumento no salário dos trabalhadores. “Não estamos levantando nenhuma possibilidade, mesmo porque o reajuste pelo contrato acontece no final do ano, a partir do dia 26 de dezembro, a 29 [de dezembro], então mesmo em situação de normalidade, caso isso não tivesse sido judicializado, isso seria discutido apenas em dezembro”, esclareceu.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários