Estudante brasileiro desaparece após surto em aeroporto de Paris e família se mobiliza para encontrá-lo

estudante desaparecido
Robson Amorim de Freitas estudava e trabalhava na Irlanda e já havia feito tratamento para doenças psiquiátricas (Cyntia de Freitas/Arquivo pessoal)

Uma família do interior do Espírito Santo está há cinco dias sem dormir à procura do estudante Robson Amorim de Freitas, de 33 anos. Ao BHAZ, a irmã do rapaz conta que ele é diagnosticado com várias doenças psiquiátricas e que estava morando na Irlanda para trabalhar e estudar. Na última sexta-feira (21) ele teve uma crise e saiu do país.

“Ele foi para Paris alegando que a máfia estava atrás dele, que clonaram todos os seus cartões…. Sabemos que isso faz parte do delírio da doença, porém consegui convencê-lo a voltar pra casa no Brasil para se tratar”, relata Cyntia de Freitas.

Ela conta que comprou para o irmão a passagem em um voo que sairia de Paris no dia seguinte (22), faria escala na Suíça e chegaria em São Paulo nesse domingo (23). No entanto, desde que Robson chegou ao aeroporto Charles de Gunlle, na França, a família não teve mais contato com ele.

“Quando ele estava na sala do teste de Covid no aeroporto de Paris, ele saiu correndo dizendo que estavam perseguindo ele e que não podia viajar. Disse que estava tendo uma crise de ansiedade, que não poderia embarcar e desde então o celular dele não recebe mais ligações e nem mensagens”, conta ela.

Família se mobiliza

A irmã explica que procurou todas as autoridades responsáveis, mas que até o momento não descobriu novas informações sobre o irmão: “Já liguei no Consulado, Embaixada, Itamaraty, Polícia Federal, Interpol, mas ninguém sabe de nada e não resolve nada”.

Ainda segundo Cynthia, o irmão estava realizando um sonho ao morar fora. “Ele já teve outras crises, mas fez tratamento e tava bem. Ele planejou toda viagem, fala três idiomas, é super querido por onde vai. Ele estava legal no país, trabalhando e estudando inglês”, conta.

Desde então, a família tem se mobilizado pelas redes sociais para encontrar pistas de onde o Robson possa estar. “Convoco a todas pessoas, órgãos e entidades governamentais, estaduais, federias a nos ajudar a encontrar nosso irmão”, escreveu em uma rede social Pedro, outro irmão do estudante.

Como ajudar?

Em caso de quaisquer informações sobre o Robson, basta contatar a Cynthia pelo telefone (28) 9 9904-2009.

Edição: Giovanna Fávero
Larissa Reislarissa.reis@bhaz.com.br

Graduada em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) e repórter do BHAZ desde 2021. Vencedora do 13° Prêmio Jovem Jornalista Fernando Pacheco Jordão, idealizado pelo Instituto Vladimir Herzog.

Comentários