Diretora da OMS faz alerta sobre Carnaval no Brasil com possível quarta onda de Covid-19

Mariângela Simões diretora oms
Mariângela Simões é médica pela Universidade Federal do Paraná (Nações Unidas/Reprodução)

A diretora-geral assistente da OMS (Organização Mundial da Saúde) para Acesso a Medicamentos, Mariângela Simão, demonstrou preocupação sobre a possibilidade de se ter comemorações de Carnaval no Brasil, no ano que vem. Ela destacou que o evento é extremamente propício para a transmissão comunitária. Segundo a médica, uma quarta onda de Covid-19 se aproxima do mundo.

“Me preocupa bastante quando eu vejo que no Brasil tem discussão sobre a abertura do Carnaval. Isso é realmente uma condição extremamente propícia para o aumento da transmissão comunitária. O que a gente precisa é planejar já ações até o final de 2022”, disse Mariângela Simão, nessa segunda-feira (22), na abertura no Congresso Brasileiro de Epidemiologia, da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

A diretora ainda falou de planejamento a longo prazo e manejo do risco adaptado ao contexto local. Foi nesta avaliação que ela destacou a preocupação com o evento nas cidades brasileiras.

Quarta onda

Segundo a avaliação de Mariângela, o mundo já está entrando em uma quarta onda de Covid-19. “Tivemos nas últimas 24 horas mais de 440 mil novos casos confirmados. E os dados cumulativos são 255 milhões de casos e 5,1 milhões de óbitos. E é claro que isso reflete uma enorme subnotificação em vários continentes. O mundo está entrando em uma quarta onda, mas as regiões têm tido um comportamento diferente em relação à pandemia”, disse.

Enquanto o Brasil está com a curva de casos e mortes em queda, por exemplo, países europeus enfrentam um aumento no número de casos da doença. De acordo com a diretora, os surtos na Europa são em função do aparecimento de casos em pessoas não vacinadas.

Carnaval em BH

Enquanto capitais como São Paulo e Rio de Janeiro já confirmaram a realização do evento, em Belo Horizonte, o prefeito Alexandre Kalil (PSD) afirmou que a prefeitura não irá patrocinar o Carnaval em 2022. Segundo o chefe do Executivo municipal, a realização do Carnaval da cidade, depois das festividades de fim de ano, é “dar sopa para o azar”. A declaração foi dada em entrevista coletiva na semana passada.

Edição: Vitor Fernandes

Comentários