Universidades do Rio suspendem aulas presenciais após escalada de casos de gripe e Covid

ufrj
UFRJ, Uerj e Unirio anunciaram suspensão das atividades (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Com o aumento nos casos de Covid-19 por causa da nova variante ômicron e a incidência de casos de Influenza, universidades do Rio de Janeiro começaram a cancelar as aulas presenciais. A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e a Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) já suspenderam as aulas até o dia 31 de janeiro, funcionando apenas com as classes essenciais.

“Na tentativa de evitar aglomerações e garantir a segurança da comunidade acadêmica, recomenda-se que as aulas presenciais sejam suspensas até o final deste mês. A UFRJ está monitorando a evolução da variante ômicron e, tão logo a situação melhore, informará sobre a possibilidade de retorno das atividades presenciais”, diz a nota da federal.

O comunicado da UERJ informa que o período letivo continua previsto para começar no dia 2 de fevereiro, mas também cita o aumento da incidência de infecção por causa da variante ômicron. “Enfatiza ainda que, além da Covid-19, está em curso uma epidemia de gripe do subtipo H3N2, que pode levar a casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em pessoas de alto risco”, alerta a universidade.

A Unirio também afirma que a interrupção das aulas presenciais ocorre por causa do agravamento do cenário da pandemia no Rio de Janeiro. “As atividades consideradas indispensáveis serão mantidas sob a modalidade presencial e definidas pelas chefias imediatas”, diz a nota.

Justiça diminui atividades presenciais

Além das universidades, o TJRJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro) prestará atendimento ao público presencialmente apenas com 50% do quadro de funcionários de cada unidade jurídica ou administrativa. A mudança passou a valer nesta terça-feira (11). A determinação ocorreu por causa do “recrudescimento de infecções no cenário da pandemia de Covid-19 em todo o país em razão da variante ômicron do novo coronavírus”

“A decisão considerou a natureza essencial da atividade jurisdicional e a necessidade de se assegurar condições mínimas para sua continuidade, respeitados os protocolos de segurança sanitária, visando a preservação da saúde dos serventuários, agentes públicos, advogados e usuários em geral nas dependências do TJRJ”, explica tribunal.

Com Agência Brasil

Edição: Giovanna Fávero
Giulia Di Napoligiulia.di.napoli@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários