Jovem usa perfil falso no Tinder para atrair mulheres e aplicar golpe

Jovem de 23 anos se passava por um advogado no Tinder (Divulgação/Polícia Civil)

Uma jovem de 23 anos foi presa suspeita de aplicar golpes em outras mulheres através do aplicativo de relacionamento Tinder. Ela se passava por um advogado fictício e, após conquistar as vítimas com presentinhos e até mesmo alianças enviados ao endereço físico dos alvos, pedia dinheiro emprestado. O golpe ocorre, pelo menos, desde 2016, segundo a Polícia Civil.

Lorrany Cristina da Costa Freire foi presa em flagrante na última sexta-feira (18), em Macapá (AP), no momento em que buscava o dinheiro de uma das vítimas. Através do perfil falso de “Álvaro Klinger”, de 35 anos, a jovem atraiu a vítima e, depois de conquistar a confiança, pediu R$ 300 emprestados.

A golpista apareceu pessoalmente para pegar o dinheiro, alegando que estava a mando do falso advogado. Como usava um número com DDD do Rio Grande do Sul, parte do enredo criado por Lorrany apontava que o homem iria se mudar para Macapá, para viver junto com a vítima. Até mesmo alianças foram enviadas à residência do alvo como pedido de casamento.

Perfil falso criado pela jovem detida (Divulgação/Polícia Civil)

“Nós identificamos mais de 15 vítimas e vamos instaurar para cada uma delas um inquérito policial específico para que ela possa responder por esses crimes de forma cumulativa”, afirmou o delegado Leandro Leite, que participa das investigações, ao portal G1.

Os investigadores desconfiam que o número de vítimas é bem maior, já que muitas não querem denunciar o crime por constrangimento ou mesmo por estar em outro relacionamento. “Através da boa aparência do perfil da pessoa que criava, Lorranny atraía dezenas de mulheres ao contato virtual, encaminhava presentes ao endereço físico das vítimas, pedidos de casamento, e após adquirir confiança, solicitava empréstimos amparada numa história fictícia”.

A polícia acredita que, com a divulgação do caso, outras vítimas vão aparecer. O dono da imagem usada por Lorrany, que já havia sido presa em 2018 pelo mesmo golpe, também é procurado pelos investigadores.