Mais uma vez, CNN desmente Alexandre Garcia ao vivo após jornalista defender ‘tratamento precoce’

Alexandre Garcia
Sem provas, Garcia disse que medicamentos sem eficácia comprovada ‘salvaram milhares de vidas’ (Reprodução/CNN)

O jornalista Alexandre Garcia foi, novamente, corrigido ao vivo pela CNN depois de divulgar informações falsas sobre a Covid-19. Nesta sexta-feira (24), durante o programa “Novo Dia”, ele voltou a defender o tratamento precoce, ineficaz contra a doença, e a âncora da atração precisou retificar a informação.

No quadro “Liberdade de Opinião“, ele comentava as denúncias contra a Prevent Senior, operadora de saúde acusada por médicos de usar os hospitais da rede como laboratório para ministrar hidroxicloroquina e outros medicamentos sem eficácia comprovada para o tratamento da Covid-19, sem o consentimento de familiares e pacientes.

Sem provas, Alexandre Garcia disse que esses medicamentos usados como suposto tratamento precoce “salvaram milhares de vidas”, quando aplicados “imediatamente, mesmo antes do resultado do teste”.

“É na fase 1, na fase 2 às vezes evitam hospitalizações. Na fase 1 sempre evitam hospitalizações, sempre evitam sofrimento. Na fase 3, são ineficazes, quando a pessoa já está hospitalizada, intubada…”, afirmou, apesar de não apresentar dados que sustentem as declarações.

“Essa questão de eficácia comprovada a gente só vai saber daqui a uns 3 anos. Agora, tudo é experimental. Quando tudo é experimental, só o tempo dirá, não existe teste de laboratório que supere o teste no ser humano. Então o ser humano está sendo testado numa nova doença, num novo tratamento, numa nova vacina e só vamos saber disso daqui a uns 3 anos”, completou.

Correção

Logo depois de sair do ar, Alexandre Garcia foi desmentido pela âncora do “Novo Dia”, Elisa Veeck. A jornalista reforçou que as os pontos de vista expressados pelos comentaristas no quadro “Liberdade de Opinião” não refletem, necessariamente, a posição da CNN.

“E mais um acréscimo: a CNN ressalta que não existe um tratamento precoce comprovado cientificamente para prevenir a Covid-19. O que a ciência mostra é que a prevenção com o uso de máscaras e a vacinação são as únicas maneiras de combater a pandemia”, completou a âncora.

Histórico

Não é a primeira vez que Alexandre Garcia precisa ser corrigido ao vivo após disseminar desinformação a respeito da pandemia de Covid-19. Há pouco mais de um mês, no mesmo quadro, ele foi desmentido depois de dizer que jovens “não precisariam tomar a vacina segundo as estatísticas”.

O jornalista, que chegou a apagar vídeos que defendiam “tratamento precoce, com cloroquina e ivermectina, afirmou durante o programa que o vírus “não se adapta bem” ao corpo de uma pessoa jovem. “A estatística mostra que parece que o vírus não se dá bem com jovem, com crianças principalmente”, afirmou.

Mais tarde, a apresentadora Elisa Veeck desmentiu a fala do jornalista e afirmou que a emissora ouviu um especialista e confirmou que a proporção de casos graves de Covid-19 é maior entre pessoas que não receberam todas as doses necessárias.

Em outro episódio, Alexandre Garcia discutiu ao vivo com o apresentador Rafael Colombo, também durante o programa “Novo Dia”. Na ocasião, Colombo disparou contra Garcia após o ex-funcionário da Globo defender o uso da hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19.

“Se a cloroquina funciona, é barata e serviu, como você lembrou, na Amazônia para lúpus, malária e outros tipos de doença, por que o mundo teria deixado tanta gente morrer se tem um remédio barato à disposição? A troco do quê tanta gente morreria se a cloroquina funciona?”, questionou Colombo.

“Se há interesse farmacêutico em dizer que ela não funciona, também não pode existir um interesse farmacêutico dizendo que ela funciona? Afinal de contas, o governo brasileiro comprou mais de 4 milhões de doses. Se ela não funcionar, vai fazer o que com ela?”, continuou.

“‘Se ela não funcionar’ não existe, por que ela está funcionando”, respondeu Garcia, em tom de ironia, que logo foi rebatido pelo apresentador: “Ninguém provou que está funcionando, né, Alexandre?”. “As pessoas que sobreviveram são a prova. É assim que começa a ciência”, completou Alexandre Garcia.

Edição: Giovanna Fávero
Sofia Leão
Sofia Leãosofia.leao@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde 2019 e graduanda em jornalismo pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Participou de reportagens premiadas pelo Prêmio Cláudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados, pela CDL/BH e pelo Prêmio Sebrae de Jornalismo em 2021.

Comentários