Terceira vez: Novo surto de ‘superfungo’ é identificado em Recife e Anvisa faz alerta

Superfungo tem 3º surto o Brasil
Superfungo preocupa autoridades por causa de alta resistência a medicamentos (FOTO ILUSTRATIVA: Drew Hays/Unsplash)

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) emitiu um alerta de ameaça à saúde pública na última terça-feira (11), após a confirmação de um caso do fungo Candida auris em Recife. O “superfungo”, como é chamado, é temido mundialmente por sua resistência aos medicamentos e alto risco de infecção. Além do caso confirmado, há um outro suspeito – o que, segundo a agência, já configura um surto.

Desde a confirmação do caso, o hospital adotou medidas de precaução e ações de controle do surto. De acordo com o alerta da Anvisa, foram identificados dois casos suspeitos desde o início do ano, envolvendo um paciente de 67 anos e outra de 70. Até o momento, o laboratório só diagnosticou um dos casos. O estado de saúde dos pacientes não foi divulgado.

Terceiro surto

A agência esclareceu que, apesar de ter apenas um caso confirmado, o cenário já pode ser considerado o surto de Candida auris. Isso porque “a definição epidemiológica de surto abrange não apenas uma grande quantidade de casos de doenças contagiosas ou de ordem sanitária, mas também o surgimento de um microrganismo novo na epidemiologia de um país ou até de um serviço de saúde – mesmo se for apenas um caso”, explica o alerta.

Esse já é o terceiro surto do “superfungo” no Brasil. Ao todo, foram 18 casos confirmados somente durante a pandeia de Covid-19. O primeiro surto foi em um hospital de Salvador em dezembro de 2020, acarretando 15 casos e dois óbitos. O segundo ocorreu em dezembro de 2021, com apenas um infectado, também em Salvador.

A infecção por Candida auris é perigosa por ser resistente a medicamentos, o que a torna fatal em diversos casos. A porcentagem de mortes por paciente varia de 30% a 60% dependendo da região e de variáveis como a gravidade da doença que levou o paciente ao hospital.

Monitoramento

A Anvisa está monitorado o caso e as autoridades garantem que já estão trabalhando para controlar o surto. A agência orienta ainda que “os laboratórios de microbiologia intensifiquem a vigilância laboratorial para a identificação do fungo Candida auris, conforme descrito na Nota Técnica 11/2020“.

“Diante de um caso suspeito ou confirmado de Candida auris, informem imediatamente à Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do serviço de saúde”, reforça o comunicado da agência.

Edição: Giovanna Fávero
Giulia Di Napoligiulia.di.napoli@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários