Traficantes ‘evangélicos’ forçam mãe de santo a destruir terreiro no Rio

Um caso de intolerância religiosa aconteceu na última terça-feira (12) em uma comunidade de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Traficantes que se intitulam evangélicos, forçaram uma mãe de santo a destruir o próprio terreiro. A justificativa é que o Candomblé seria uma “religião do demônio”.

Sete criminosos armados invadiram a instalação localizada na Baixada Fluminense, durante um encontro dos praticantes do Candomblé. Os bandidos obrigaram a sacerdotisa a destruir todas as imagens sob a mira de um revólver.

A ação criminosa foi gravada em vídeo pelos próprios traficantes e divulgada nas redes sociais. Os indivíduos chegaram a urinar nas imagens sacras, com a justificativa que “bruxaria” não seria permitida na comunidade.

No vídeo, os criminosos gritam o tempo todo palavras “em nome de Jesus Cristo”. “Quebra tudo! Apaga as velas, porque o sangue de Jesus tem poder!”, diz um dos traficantes. “Todo mal tem que ser desfeito, em nome de Jesus! Quebra tudo porque a senhora que é o demônio chefe! É a senhora quem patrocina essa cachorrada!”, completa.

A Polícia Civil afirmou que investiga o caso. O Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, se reuniu com autoridades para dialogar sobre a criação de uma Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância. Até agora, nenhuma medida concreta foi tomada e os criminosos continuam foragidos.

Vitor Fernandesvitor.fernandes@bhaz.com.br

Sub-editor no BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva do Portal UOL. Com reportagens vencedoras nos prêmios CDL (2018, 2019, 2020 e 2022), Sindibel (2019), Sebrae (2021) e Claudio Weber Abramo de Jornalismo de Dados (2021).