Governo de Minas reduz o intervalo de aplicação entre doses da Pfizer para 21 dias

pfizer-mg
Intervalo entre doses da Pfizer diminui de oito semanas para 21 dias (Fábio Marchetto/Agência Minas}

A SES-MG (Secretaria do Estado de Saúde de Minas Gerais) vai reduzir o intervalo entre a primeira e a segunda dose da Pfizer. O intervalo, que era de oito semanas, agora passa a ser de 21 dias. A implementação entrará em vigor a partir deste sábado (20). O Governo de Minas também oficializa a aplicação da dose de reforço em todos os indivíduos maiores de 18 anos.

Segundo a subsecretária de Vigilância em Saúde, Janaina Passos, a segunda dose é essencial para evitar o aumento de casos graves e garantir a imunização coletiva. “O objetivo da redução do intervalo entre a primeira e a segunda dose é acelerar a vacinação dos mineiros, aumentando a quantidade de pessoas com esquema vacinal completo”.

“Dessa forma, conseguimos reduzir os índices de transmissão da doença e as internações, principalmente os casos graves”, explica a subsecretária. A nova implementação esperava a deliberação da CIB (Comissão Intergestores Bipartite), que acontecerá amanhã (20).

Cobertura vacinal em MG

De acordo com dados registrados pelos municípios nesta sexta-feira (19), a cobertura vacinal em MG em pessoas acima de 12 anos com a primeira dose é de 89,81%. Em relação à segunda dose ou à dose única, é de 72,07% . Ao todo, 1.467.896 receberam a dose de reforço em MG.

Ademais, também ficará oficializada a orientação do Ministério da Saúde sobre aplicar a dose de reforço em todas as pessoas maiores de 18 anos. Segundo o novo protocolo, a administração deve ocorrer depois de cinco meses da última dose do esquema vacinal primário. Isso com as vacinas da Pfizer, AstraZeneca e Coronavac.

Já no caso de pessoas com imunossupressão, a administração da dose de reforço deve acontecer 28 dias depois da última dose do esquema vacinal primário. Independentemente de qual tenha sido o imunizante primário recebido, as vacinas para a dose extra são preferencialmente da Pfizer e, de maneira alternativa, Janssen ou Astrazeneca.

Dose de reforço depende do governo federal

Contudo, a aplicação da dose de reforço depende do envio de imunizantes por parte do governo federal. Para isso, a SES-MG espera receber do Ministério da Saúde o quantitativo de doses suficiente para alcançar a imunidade coletiva ainda em dezembro.

Segundo o governo de Minas, espera-se que 70% da população total do estado de Minas Gerais terá concluído o esquema vacinal. Embora os índices tenham melhorado nas últimas semanas, Janaina Passos diz que os cuidados contra a Covid-19 precisam ser mantidos.

” É importante seguir com os protocolos sanitários, como uso de máscaras, higienização das mãos e cumprir esquema de vacinação para termos sucesso nos esforços no enfrentamento da pandemia”, ressalta Janaina Passos.

Com Agência Minas

Edição: Roberth Costa
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários