Indicada no ‘kit-Covid’, fabricante diz que ivermectina não é eficaz contra a doença

comprimido
Medicamento foi recomendado pelo Ministério da Saúde no tratamento da Covid-19 (Diego Vara/Agência Brasil)

A empresa fabricante da ivermectina, a Merck, afirmou a não-eficácia do medicamento no tratamento contra a Covid-19. O comunicado, emitido nessa quinta-feira (4), informou que cientistas analisaram o remédio no desempenho contra o coronavírus. No Brasil, a ivermectina está dentro do conhecido “Kit Covid”, conjunto de medicamentos que, de acordo com o governo brasileiro, previnem a doença.

No comunicado, a fabricante do medicamento disse que não existem dados disponíveis que garantem a segurança e a eficácia contra a Covid-19. Entretanto, a Merck afirmou que os cientistas da farmacêutica continuam examinando os estudos disponíveis sobre a ivermectina no tratamento da Covid-19. A recente análise conseguiu identificar os seguintes pontos:

  • Não há base científica para um efeito terapêutico potencial contra Covid-19 em estudos pré-clínicos; 
  • Não há evidência significativa para atividade clínica ou eficácia clínica em pacientes com a doença; 
  • Há uma preocupante falta de dados de segurança na maioria dos estudos.

A farmacêutica Merk acrescentou: “Não acreditamos que os dados disponíveis suportem a segurança e eficácia da ivermectina, além das doses e populações indicadas nas informações de prescrição aprovadas pela agência reguladora”. O medicamento é aprovado nos Estados Unidos para o tratamento de estrongiloidíase intestinal e da oncocercose. Ambas doenças são causadas por parasitas.

Kit Covid

No Brasil, o governo recomendou a ivermectina no tratamento da Covid-19. Além dela, outros medicamentos como a hidroxicloroquina, a azitromicina e a nitazoxanida fazem parte do “Kit Covid”. Tais remédios não têm a eficácia comprovada no tratamento precoce da doença. Ainda assim, o Ministério da Saúde lançou um aplicativo que recomendava tais medicamentos, entretanto saiu do ar.

Em julho do ano passado, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a venda desses medicamentos sem receita médica. O objetivo da agência era de impedir a compra de medicamentos que estavam sendo divulgados como eficazes contra a Covid-19. Além disso, a medida visava manter o estoque de tais remédios para pacientes que já faziam algum tipo de tratamento com eles.

Confira trecho do comunicado da Merck

Merck (NYSE: MRK), conhecida como MSD fora dos Estados Unidos e Canadá, hoje afirmou sua posição em relação ao uso de ivermectina durante a pandemia de COVID-19. Os cientistas da empresa continuam a examinar cuidadosamente as descobertas de todos os estudos disponíveis e emergentes de ivermectina para o tratamento de COVID-19 para evidências de eficácia e segurança. É importante observar que, até o momento, nossa análise identificou:

-Nenhuma base científica para um efeito terapêutico potencial contra COVID-19 de estudos pré-clínicos; 

-Nenhuma evidência significativa para atividade clínica ou eficácia clínica em pacientes com doença COVID-19, e; 

-A preocupante falta de dados de segurança na maioria dos estudos.

Não acreditamos que os dados disponíveis suportem a segurança e eficácia da ivermectina além das doses e populações indicadas nas informações de prescrição aprovadas pela agência reguladora.

Edição: Roberth Costa
Andreza Miranda
Andreza Mirandaandreza.miranda@bhaz.com.br

Estudante de Jornalismo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Comentários